Saúde Uma em cada três mulheres terá osteoporose no mundo

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 29/03/2019 18:53 Atualizado em: 29/03/2019 19:32

Foto: Reprodução/Agência Brasil
Foto: Reprodução/Agência Brasil
Diferente do que muitos pensam a osteoporose não acomete apenas idosos. E para as mulheres a situação é um pouco mais delicada. Se comparado aos homens, elas tem mais risco de contrair a doença. Dados da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF) revelam: uma em cada três mulheres terá uma fratura por osteoporose no mundo. No Brasil, dez milhões de pessoas possuem a doença, segundo números da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso). 

O ginecologista e obstetra, presidente da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) César Eduardo Fernandes  explica que a osteoporose é uma doença óssea que se caracteriza pelo aumento da fragilidade da qual se deteriora a estrutura do osso, que pode sofrer fraturas por impactos mínimos. "As mulheres são mais suscetíveis a doença porque com a menopausa os ovários deixam de funcionar e essa falta de hormônio gera prejuízo e faz com que haja uma perda acelerada da massa óssea".

O especialista comenta que alguns locais do corpo estão mais propensos a ter fraturas são eles a coluna vertebral, quadril e punho. Quanto mais o paciente demorar detectar a doença agrava mais. Segundo o médico, os pacientes só descobrem que tem osteoporose, geralmente, após a fratura. 

"A mais grave das fraturas é a do quadril, porque geralmente as cirurgias de recuperação são bastante complicadas e possui outros riscos como trombose, o paciente fica com dificuldade de caminhar e perde a qualidade de vida", conta o médico. De acordo com o IOF há projeções de que, somente no Brasil exista, até 2020, 140.000 fraturas de quadril por ano. A expectativa é que o número cresça para 160.000 em 2050.

O médico comenta que para constatar a doença é necessário que sejam realizados exames específicos. Além das fraturas, a osteoporose pode causar dor crônica, depressão, deformidade, perda da independência e aumento da mortalidade.Os fatores de risco para osteoporose são: fator familiar, fratura osteoporose, sedentarismo, uma pessoa com pouco ingestão de cálcio e que faça consumo exagerado de álcool.   

Medidas Terapêuticas
"Uma vez detectado, o paciente deve corrigir hábitos.  Não posso mudar a genética, mas posso mudar os passiveis de alteração. Como, por exemplo,.repor vitamina D e o tratamento de farmacologia", disse o médico. César ressalta ainda que é importante lembrar que os que receberem medicação não terão fratura,  mas que terão uma chance muito menor do que quem não se medica.

Além das fraturas, a osteoporose pode causar dor crônica, depressão, deformidade, perda da independência e mortes.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.