Najila Trindade Exame em mulher que acusa Neymar aponta lesão no dedo

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 07/06/2019 20:34 Atualizado em: 07/06/2019 20:38

Foto: AFP e Reprodução/SBT (Foto: AFP e Reprodução/SBT)
Foto: AFP e Reprodução/SBT (Foto: AFP e Reprodução/SBT)
Um exame de corpo de delito feito por Najila Trindade Mendes de Souza detectou lesão em um dedo da mão direita da modelo. Ela afirma ter sido estuprada pelo jogador Neymar no dia 15 de maio, em um hotel de Paris.

O exame foi realizado pelo Instituto Médico Legal (IML) logo depois de ela registrar boletim de ocorrência, no dia 31 de maio, na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher em São Paulo. A informação, publicada inicialmente pela Rede Globo, foi confirmada pela reportagem.

Apesar de o laudo do IML não apontar lesão em parte íntimas da modelo, os investigadores não descartam a possibilidade de ter havido violência sexual. A delegada Juliana Lopes Bussacos, responsável pelo caso, analisa o exame. O IML também recebeu de Bussacos, para fazer uma análise indireta, o relatório feito pelo médico Luiz Eduardo Rossi Campedelli no dia 21 de maio. Nesse documento foram juntadas fotos que mostram hematomas na região dos glúteos de Najila.

Campedelli prestou depoimento nesta quinta, mas não quis falar com a imprensa na saída da delegacia. Nesta quinta, um novo trecho da conversa entre Najila e Neymar pelo WhatsApp foi divulgado pela TV Record. Na conversa, aparentemente ocorrida após o primeiro encontro entre eles, Neymar diz que Najila era parcialmente responsável pelas marcas de tapas nas nádegas da modelo, porque ela "pedia mais".

Em seguida, ela responde: "Tá doido? Eu pedi para parar e você até pediu desculpas". "Meu cliente é inocente. Ele está absolutamente tranquilo. É a tranquilidade dos inocentes", disse na saída da delegacia a advogada Maíra Fernandes, uma das encarregadas da defesa do jogador, completando em seguida não poder comentar porque os autos do processo são sigilosos.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.