TECNOLOGIA Setor de tecnologia da informação sofre com a falta de mão de obra

Por: Beatriz Roscoe - Correio Braziliense

Publicado em: 09/05/2019 08:29 Atualizado em: 09/05/2019 08:37

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Brasil. Em um cenário de 13,4 milhões de brasileiros desempregados, sobram vagas no setor por falta de profissionais qualificados. O setor foi responsável por 7% do PIB de 2018 e demandará 420 mil novos empregos entre 2018 e 2024. Números fazem parte de relatório da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom).
O mercado brasileiro de TIC é o 7º maior do mundo, atrás de Estados Unidos, China, Japão, Reino Unido, Alemanha e França. Em 2018, o setor era responsável por 1,52 milhão de empregos e criou outros 43 mil novos trabalhos. O grupo obteve uma produção setorial de R$ 479,1 bilhões e um crescimento nominal de 2,5%.

Segundo o diretor de relações institucionais da Brascom Paulo Sergio Sgobbi, sobram vagas no setor por falta de mão de obra: “Existem alguns problemas: um deles é a desconexão geográfica de onde se forma e onde se demanda. Por exemplo: São Paulo representa 45% do mercado de TI no Brasil, e forma insuficientemente para a quantidade demandada. O oposto ocorre na Bahia, por exemplo, onde se forma muito mais gente do que se contrata.”

Sgobbi explica que os currículos das instituições de formação atrasados também representam um problema: “A tecnologia se atualiza permanentemente e os currículos têm uma certa rigidez nos seus processos, principalmente os de ensino superior. Há um engessamento que não permite essa atualização de acordo com o que o mercado está exigindo”.

Carlos Alberto Ramos, professor do Departamento de Economia da UnB e especialista em mercado de trabalho, explica que esse cenário pode ser revertido com o tempo: “A formação desse tipo de profissional demora, mas geralmente quando se tem falta de mão de obra, os salários sobem e existe uma indução da juventude para que escolha aquela área que está em ascensão”.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.