caso joão de deus Em novas denúncias, João de Deus é acusado de assassinato e tráfico

Por: Bruno Santa Rita

Publicado em: 25/03/2019 08:11 Atualizado em:

Em reportagem exibida no Fantástico, da Rede Globo, novas denúncias acusam o médium de ter mandado matar diversas pessoas e, com suas próprias mãos, ter dado três tiros em uma adolescente após tê-la abusado. Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
Em reportagem exibida no Fantástico, da Rede Globo, novas denúncias acusam o médium de ter mandado matar diversas pessoas e, com suas próprias mãos, ter dado três tiros em uma adolescente após tê-la abusado. Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
Novas denúncias contra João de Teixeira Faria, conhecido como João de Deus, incluindo a participação em assassinato e tráfico de drogas e material nuclear, foram divulgadas neste domingo (24/3) pelo Fantástico, da Rede Globo. Segundo o programa, o médium de 77 anos, teria mandado matar diversas pessoas e, com suas próprias mãos, dado três tiros em uma adolescente após tê-la abusado. 

O caso é um dos mais antigos contra João de Deus. Em 1973, uma jovem acompanhava a tia que estava doente e procurava por cura. Ela foi levada por João de Deus a um riacho próximo, onde foi estuprada. Segundo o depoimento dado ao fantástico em anonimato 46 anos depois do acontecido, a vítima informou que, após ser estuprada, foi atingida na cabeça e começou a sangrar. Depois, ele teria entrado em desespero com o sangue que escorria das pernas e da cabeça da jovem e, supostamente, desferiu três tiros na cabeça da vítima. Por fim, ele teria a jogado no riacho. 

“Ele não é um homem de deus”, disse a vítima. Com sorte, ela foi encontrada por um pescador que percebeu que ela ainda estava viva. Ele chamou um carro na estrada mais próxima para levá-la para o hospital. Após o desaparecimento da vítima, João teria dito à tia da jovem que ela havia fugido para escapar de um casamento arranjado. Como o caso é antigo, as denúncias feitas não tiveram sucesso. O caso prescreveu. A vítima se mudou para o nordeste para tentar superar o trauma, o que ela confessou ter falhado. 

A reportagem também apontou que João de Deus era suspeito de ter mandado matar um taxista que estaria mantendo relacionamentos com a ex-mulher do médium. A investigação não teve conclusão e João de Deus não foi responsabilizado pela suspeita do crime. 

Além disso, o curandeiro também estaria envolvido em tráfico de material nuclear. Foram encontrados com o médim 300 quilos de autunita - minério que, ao passar por um complexo processo, se torna material nuclear. Ele escondia o material em uma chácara em Abadiânia. Interceptado pela polícia em um carro em que carregava o material, João de Deus afirmou não saber que tipo de minério era aquele. A pena para tráfico deste tipo de material pode chegar até seis anos. Ele não foi condenado pelo crime.  

A lista de crimes não para. Investigações antigas ligaram João de Deus a traficantes locais e a delegados que, supostamente, o ajudavam a cometer crimes e a “limpar a barra” do médium na justiça. Éder Ferreira Martins, um dos delegados, teria recebido propina de João de Deus para tratar um suposto câncer de um sobrinho, segundo o Ministério Público. Segunda a defesa dele, ele foi absolvido desses crimes por não haverem provas suficientes. Ao fantástico, Éder afirmou nunca ter pedido ajuda financeira para o médium. 

Um dos casos extrapolou as fronteiras do país. Uma alemã que buscou João de Deus para pedir uma cura para o filho viciado em drogas foi morta após ter espalhado que o suposto curandeiro era um charlatão. Ela teria utilizado uma lan house nas redondezas para divulgar a informação. No documento que registra o caso, consta que ela teria morrido por causas naturais, embora houvesse uma bala alojada no pescoço da mulher. 

Transferência para hospital
Em dezembro passado, João de Deus foi preso preventivamente e levado para a cadeia de Aparecida de Goiás (GO), depois que denúncias de abuso sexual contra pacientes durante sessões de cura espiritual vieram à tona. Centenas de mulheres de várias partes do país e do exterior procuraram a Justiça para relatar as violências que teriam sofrido do médium, que mantinha havia décadas um centro espiritual em Abadiânia (GO).

Na última sexta-feira, o preso foi transferido para o Instituto de Neurologia de Goiânia, após determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). De acordo com a decisão do ministro Nefi Cordeiro, o médium deverá ficar internado durante o período de quatro semanas, sob escolta policial ou monitoramento por tornozeleira eletrônica.

Cordeiro atendeu o pedido dos advogados do médium, que apresentaram laudo informando que ele tem problemas de pressão arterial e um “aneurisma da aorta abdominal com dissecção e alto risco de ruptura”. Além disso, um laudo médico também solicitado pela defesa de João de Deus informou, no início deste mês, que o suspeito tem depressão e que já teria pensado em se matar na cadeia.

No ultimo dia 9, a mais recente entrevista de João de Deus foi publicada pela revista Veja. À publicação, o médium disse que é inocente e negou as acusações de violência sexual feitas contra ele. “Não pratiquei abuso contra ninguém”, afirmou. “Eu tenho dificuldade de entender como as pessoas se dispõem a falar de coisas ocorridas há 40 anos. Mais do que isso, acho inacreditável que uma pessoa que se sinta violentada volte outras vezes a ser atendida. Não faz sentido”, justificou. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.