PRESSÃO ALTA Hipertensão antes dos 40 aumenta chances de derrame e doenças cardíacas Estudo feito com 4.851 voluntários mostra que a pressão alta em adultos jovens aumenta o risco de surgimento de insuficiência cardíaca, derrame e doença coronariana fatal, entre outros problemas

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 07/11/2018 09:51 Atualizado em:

Especialistas recomendam o monitoramento da pressão arterial e a adoção de hábitos saudáveis. Foto: Spencer Platt/AFP
Especialistas recomendam o monitoramento da pressão arterial e a adoção de hábitos saudáveis. Foto: Spencer Platt/AFP
Ser diagnosticado com hipertensão antes dos 40 anos é uma condição que deixa o indivíduo vulnerável a complicações cardiovasculares mais graves. O alerta foi feito por pesquisadores americanos em um artigo divulgado, ontem, no Journal of the American Medical Association (Jama). O estudo liderado na Universidade de Duke traz resultados do acompanhamento, por quase 19 anos, de 4.851 voluntários. A constatação é de que a pressão alta em adultos jovens aumenta o risco de surgimento de insuficiência cardíaca, derrame e doença coronariana fatal, entre outros problemas, antes mesmo de a pessoa chegar à terceira idade.

“Esse é um primeiro passo para avaliar se a pressão alta, como definido pelos novos critérios, é algo com que as pessoas mais jovens devem se preocupar como um potencial precursor para problemas graves. Embora seja um estudo observacional, ele demonstra que as novas diretrizes de pressão arterial são úteis para identificar aqueles que podem estar em risco de eventos cardiovasculares”, diz Yuichiro Yano, um dos autores do artigo e professor-assistente no Departamento de Medicina Comunitária e Familiar da universidade americana.

A equipe teve como referência diretrizes de 2017, emitidas pela Associação Americana do Coração, que reduziram os parâmetros que definem a hipertensão. Antes, a pressão alta era considerada quando o aparelho de aferição indicava 140 por 90 milímetros de mercúrio, ou o popular 14X9. Agora, um resultado de 13X8 já é considerado como o estágio 1 da doença. A condição anterior, 12X8, é nível de alerta. E o estágio 2 da hipertensão, classificado a partir de 14X9.

Yano e colegas rastrearam os dados de 2.657 mulheres e 2.194 homens com idade média de 35,7 anos. Durante um acompanhamento médio de 18,8 anos, foram diagnosticados 228 eventos cardiovasculares, sendo 109 casos de doença coronariana fatal e não fatal, 63 de acidente vascular cerebral (derrame), 48 de insuficiência cardíaca e oito de doença da artéria periférica.

Considerando a pressão arterial (PA) dos participantes, a taxa de incidência anual de doenças cardiovasculares foi de 1,37 para grupo de 1.000 pessoas com PA normal; 2,74 para 1.000 pessoas com PA elevada (condição de alerta); 3,15 para 1.000 pessoas com hipertensão no estágio 1; e 8,04 para 1.000 pessoas com hipertensão em estágio 2. “Entre os adultos jovens, aqueles com pressão arterial elevada, hipertensão estágio 1 e hipertensão estágio 2 antes dos 40 anos (…) apresentaram risco significativamente maior de eventos cardiovasculares subsequentes, comparados àqueles com pressão arterial normal”, destaca Yano.

Novas pesquisas
Em um editoral publicado na mesma edição do Jama, Vasan Ramachandran, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston, alerta para o aumento dos casos de hipertensão entre os mais jovens e para a existência de grandes lacunas sobre o fenômeno, envolvendo desde a epidemiologia ao manejo dos casos mais críticos. Segundo o especialista, são necessários mais estudos para entender se “os determinantes sociais de saúde, mudanças culturais, costumes, dieta e desgaste do estresse repetido ou crônico são fatores que podem estar impactando a pressão arterial em jovens.”

Independentemente das futuras investigações, Ramachandran sugere algumas medidas que devem virar hábito entre hipertensos que não chegaram aos 40 anos. “Fazer exames periódicos de pressão arterial, adotar medidas simples de estilo de vida, como exercícios físicos regulares, e evitar o excesso de peso provavelmente serão úteis para manter níveis ótimos de pressão arterial.”

Também no Brasil
O avanço da hipertensão entre os mais jovens também acontece na população brasileira. Segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde, 10% das pessoas com idade entre 25 e 34 anos têm o diagnóstico da doença. Na faixa dos 35 aos 44 anos, o índice sobe para 19%. Nem as crianças e os adolescentes escapam. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, 5% deles enfrentam o problema.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.