show Projeto Avoada, de quatro músicos pernambucanos, faz miniturnê pelo estado A série de shows começa nesta quarta-feira no Recife e segue para o Agreste e a Zona da Mata

Por: Caio Ponciano - Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/01/2019 08:41 Atualizado em: 09/01/2019 09:09

O grupo é formado pelos compositores Feiticeiro Julião, Juvenil Silva, Marília Parente e Marcelo Cavalcante. Foto: Hugo Coutinho/Divulgação
O grupo é formado pelos compositores Feiticeiro Julião, Juvenil Silva, Marília Parente e Marcelo Cavalcante. Foto: Hugo Coutinho/Divulgação

No fim de 2018, os amigos Juvenil Silva e Marília Parente resolveram juntar suas composições e "voar" em uma miniturnê pelo estado. Para aumentar a força, eles convidaram os músicos Feiticeiro Julião e Marcelo Cavalcante e deram início ao projeto itinerante Avoada. O primeiro show será realizado nesta quarta-feira (09), pontualmente às 20h, no Pequeno Latifúndio, no bairro do Espinheiro, no Recife. A entrada custa R$ 20. A partir desta quinta, eles seguem em viagem pelo Agreste e Zona da Mata de Pernambuco para quatro apresentações. Em Caruaru, na Mercearia Ponta de Rua (dia 10), Belo Jardim, em A Confraria (dia 11), Garanhuns, na CasAmarela (dia 12), e encerram essa primeira experiência, juntos, no palco, em Vitória de Santo Antão, no Bariloche, no domingo (13). 

A ideia do projeto saiu do papel quando Marília entendeu que o cenário da música independente se sustenta por ser colaborativo e que esse formato, apesar de não ser inédito, é bastante promissor. "Inicialmente, Juvenil teve essa ideia, mas acabou não acontecendo por falta de instiga mesmo. Para fazer uma turnê dessas, na cara e na coragem, é preciso querer se produzir, que é uma coisa que o artista independente mais do que nunca tem que fazer", ressalta.

Embora tenha nascido no Recife, a cantora e compositora de 24 anos passou a maior parte da juventude em Exu, no Sertão pernambucano, onde mora sua família. Ela se considera cria da rodovia BR-232, por estar sempre entre as duas cidades. "Eu sou muito acostumada com a estrada, faz muito parte da minha vida. O meu disco fala sobre isso, sobre caminhos, portas e descobrimentos. A estrada é muito importante para o artista, ela alimenta a gente. E pagar para ver, fazer isso sem saber o que nos espera é muito gostoso", comenta. Durante a viagem, o grupo vai registrar os momentos em vídeo, para que se torne um videoclipe, posteriormente. 

O projeto é composto por um repertório de, em média, 20 canções dos quatro compositores e tem influências do folk e da música nordestina dos anos 1970. "Explorar a carreira solo da gente e juntar essas músicas não foi difícil. Cada um tem sua assinatura, mas a nossa linguagem parte das mesmas bases e tem esse grande tronco que todo mundo respeita muito, que é Luiz Gonzaga", aponta Marília. Apesar da essência urbana do grupo, Juvenil destaca que a musicalidade regional está mais aflorada nesse novo projeto. "Tem toda a carga de Exu, a cidade do coração de Marília, Julião com sua viola de 10 cordas e Marcelo com sua sensibilidade harmônica singular", analisa o músico. 

O nome Avoada surgiu de uma experiência que Juvenil teve com projeção astral, quando se deparou com um objeto voador brilhante acima de sua casa. Ele lembra que era algo parecido com uma nave espacial e foi guiado por uma luz e um som, que perguntava "pronto para essa avoada?". "Eu não conseguia falar, mas pensava e assim tentava me comunicar. Quando acordei, escrevi umas coisas e coloquei esse título quando veio a ideia de dar um giro por aí, todo mundo em um carro para tocar o máximo que puder e onde der", explica.

Serviço
Show projeto Avoada
Quando: nesta quarta-feira (09), às 20h
Onde: Pequeno Latifúndio (Rua Gomes Pacheco, 426, Espinheiro)
Quanto: R$ 20


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.