TV Pabllo Vittar relembra bullying na escola e suporte da mãe A cantora comentou o episódio no programa Altas Horas

Por: AE

Publicado em: 03/09/2018 13:16 Atualizado em:

Foto: Reprodução/Globo
Foto: Reprodução/Globo
A cantora Pabllo Vittar chorou ao relembrar o bullying que sofreu em sua escola quando era uma criança, em entrevista ao Altas Horas, no sábado (1º de setembro). "Da 5ª série até a 7ª eu estudava numa escola no interior do Pará. Foi muito difícil porque eu tinha 10 anos, uma criança gordinha, afeminada do cabelo grande, chega naquela sala com um monte de gente...", contou.

Em seguida, complementou: "Fui na escola muito contente porque todo mundo queria chegar na 5ª série, troquei de escola e (pensei): 'Nossa, vou fazer um monte de amigo novo'. No primeiro dia me bateram. E foi horroroso."

"Eu não tinha a quem recorrer. Tinha minhas irmãs que estudavam comigo. Os professores não faziam nada, a diretora não fazia nada. Eu lembro de ter chegado em casa chorando, muito triste: 'Mãe, não quero ir pra escola mais'", continuou.

Pabllo se emocionou e fez questão de valorizar a importância que o apoio de sua mãe teve em sua infância: "Minha mãe falou: 'Pabllo, você vai amanhã pra escola sim, porque a sua vida inteira vai ser desse jeito. Se você se esconder, vai ser pior.'". A atitude da mãe de Pabllo rendeu elogios de outro convidado da noite, o cantor e compositor Gilberto Gil, que considerou-a uma "mulher à frente de seu tempo". Clique para assistir ao vídeo.

Eleições
Nas redes sociais, a cantora Pabllo Vittar fez um pronunciamento em seu Instagram, logo após vir à tona uma polêmica envolvendo a marca de calçados Victor Vicenzza, por conta do apoio do dono da marca à campanha de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) à presidência. O assunto veio à tona nas redes sociais há alguns dias, após usuários perceberem que a página da marca no Instagram passou a seguir diversos perfis que apoiam Jair Bolsonaro, além do próprio candidato e de três de seus filhos, todos também na política: Flávio, Carlos e Eduardo. A página também curtiu publicações do candidato.

Alguns usuários também replicaram o print de uma mensagem direta enviada pela marca após um usuário questionar o apoio da mesma ao candidato. "Quanto ao candidato ser homofóbico, já foi mais que comprovado o contrário", consta na resposta atribuída à empresa. "Desde o início da minha carreira, sempre soube que seria muito difícil conseguir apoio de marcas que queiram se relacionar com uma artista LGBTQIA+ drag que sou", começou Pabllo. "Não poderei aliar meu trabalho a um discurso que deixa claro não se importar com os direitos humanos de toda comunidade LGBTQIA , à qual faço parte", complementou. A cantora ainda ressaltou que, em alguns de seus novos trabalhos já finalizados e prestes a serem distribuídos, ela ainda aparece com "peças de marcas que, a partir de agora, não vinculo mais a minha imagem".

Victor Vicenzza 
Pouco depois do pronunciamento de Pabllo, o perfil oficial da marca publicou um comunicado em suas redes sociais, em nome de seu proprietário, que dá nome à empresa. Nele, Victor diz "lutar contra todo tipo de preconceito" e ressalta seu posicionamento, afirmando que "Bolsonaro é o único candidato apropriado para liderar esta nação". "É necessário lutar contra todas as ideologias socialistas e comunistas que invadiram nosso País. Sendo assim, aproveito esta oportunidade para posicionar-me", complementou. Desde então, diversos comentários vem sendo feitos nas redes sociais da marca. Enquanto uma parte deles critica a postura da empresa, outra vem apoiando o posicionamento.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.