PESQUISA Medo de desemprego cai entre brasileiros, mostra pesquisa Esta foi a maior retração observada desde o início da série histórica em maio de 1996

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 10/01/2019 10:52 Atualizado em:

Foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press
Foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press
Uma pesquisa feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que o medo de ficar desempregado diminuiu entre os brasileiros. Segundo os dados divulgados na manhã desta quinta-feira (10/1), o índice caiu 10,7 pontos entre setembro e dezembro de 2018 e atingiu 55 pontos no último mês do ano passado. 
 
Esta foi a maior redução observada desde o início da série, em maio de 1996. Mesmo assim, o patamar continua acima da média histórica, que é de 49,8 pontos. A CNI atribui a mudança à esperança com o novo governo. A pesquisa ouviu 2 mil pessoas em 127 municípios, entre 29 de novembro e 2 de dezembro do ano passado.

Apesar de variar, a queda no índice foi observada em todas as regiões do país, sendo que, a maior retração foi no Sul, onde o número passou de 62,7 pontos em setembro para 45,8 pontos em dezembro — uma queda de 16,9 pontos. 
 
As regiões Norte e Centro-Oeste, analisadas em conjunto por questão de amostragem, apresentaram a segunda maior queda (-12,9 pontos), seguidas pelo Nordeste (9,8 pontos) e, por último, o Sudeste, que diminuiu de 64 para 55,8 pontos nos últimos quatro meses do ano, uma retração de 8,3 pontos. 

Otimismo com mudança política
A CNI avalia que a retração é resultado da mudança política, verificada nas eleições de outubro, o que teria deixado o brasileiro mais otimista em relação ao fim da crise econômica. Na prática, a queda no medo do desemprego, segundo a confederação, pode ajudar a incrementar o consumo e, por consequência, aumentar a produção. 
 
A pesquisa também apontou que o índice se retraiu entre os brasileiros que possuem maior renda familiar. Os dados históricos mostram que o nível do medo do desemprego é menor quanto maior a renda familiar dos brasileiros. 
 
Satisfação com a vida
O documento também mostrou que o índice com a satisfação de vida aumentou 2,7 pontos de setembro a dezembro de 2018, e atingiu o patamar de 68,6 pontos. O número, no entanto, também é menor do que a média histórica, de 69,7 pontos. 
 
A satisfação também teve a maior alta na região Sul, onde o indicador subiu de 3,6 pontos e passou de 66,2 pontos em setembro para 69,8 em dezembro. O segundo maior foi a região Nordeste, com aumento de 3 pontos, seguida do Sudeste, com 2,7 pontos. As regiões Norte e Centro-Oeste apresentaram menor crescimento, com 1,5 ponto. 





Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.