DP NOS BAIRROS A multiplicação dos botequins em Setúbal O fato de ser um bairro residencial e o incremento da Lei Seca na realidade local impulsionaram o crescimento de bares e restaurantes em Setúbal

Por: Sávio Gabriel - Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/11/2018 08:59 Atualizado em: 09/11/2018 09:04

Emílio Rodrigues é gerente do Seu Bacana, que funciona na região há um ano e três meses. Foto: Nando Chiappetta/DP FOTO
Emílio Rodrigues é gerente do Seu Bacana, que funciona na região há um ano e três meses. Foto: Nando Chiappetta/DP FOTO

Muito além de uma região predominantemente residencial, Setúbal também se tornou um reduto de bares e restaurantes, consolidando uma tendência presente em outras localidades da capital pernambucana. Fatores como a Lei Seca, sancionada há dez anos, e o aumento da insegurança nos grandes centros urbanos impulsionaram a procura por estabelecimentos comerciais no entorno de onde o consumidor mora. E a tendência é de que esse movimento se consolide cada vez mais.

“Em Setúbal há uma grande quantidade de habitações, de prédios, é um lugar tipicamente residencial. E há naturalmente serviços que acompanham locais com esses perfis, como mercados, padarias, cafés e, consequentemente, bares e restaurantes”, explica André Araújo, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do estado (Abrasel-PE). Ele explica que os empresários passaram a observar essa tendência e a investir em locais com alta densidade populacional. “Quando as pessoas saem para beber, vão para casa em seguida, e não para o trabalho. Esse é um dos motivos pela escolha ser por um local próximo”.

Arnóbio abriu empreendimento há quase uma década. Foto: Nando Chiappetta/DP FOTO
Arnóbio abriu empreendimento há quase uma década. Foto: Nando Chiappetta/DP FOTO


Em 2009 o empresário Arnóbio Andrade percebeu essa tendência e inaugurou o Tropicalmix, bar que tem o joelho de porco como carro-chefe e aposta também na gastronomia regional. “Tinha visto uma matéria onde uma grande empresa de cervejas estava incentivando botequins de bairro, em São Paulo, devido à Lei Seca. E então resolvi replicar o modelo aqui”, explica, lembrando que na época não havia outros estabelecimentos no local. “Havia uma banca onde os boêmios da região se juntavam, mas o local fechou e eles ficaram órfãos. Abrimos o bar para aproveitar essa demanda reprimida”. Atualmente, segundo Andrade, 85% das pessoas que frequentam o bar moram na região. “Prova disso é que a grande parte desses clientes já se conhecem, perpetuando a tradição do botequim de bairro”.

Em funcionamento há um ano e três meses, o Seu Bacana, que aposta em um mix gastronômico, é um dos bares que consolidaram essa tendência em Setúbal. “90% do nosso público são vizinhos que, por conta da Lei Seca e distância em relação a outros bares, resolvem se divertir aqui”, explica Emílio Rodrigues, gerente do estabelecimento. Ele diz que, pouco tempo depois da inauguração do Seu Bacana, outros bares também passaram a funcionar na região. “No nosso caso, temos um público diversificado. Há jovens e adultos, assim como crianças. É um ambiente para a família”, conta. E essa proximidade também se reflete na estratégia de comunicação adotada pelo bar. “Tenho um grupo com quase 200 clientes, todos vizinhos, onde divulgo as ações que fazemos ao longo do ano”.
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.