DP Empresas Marca pernambucana de cosméticos aposta em matéria-prima do Sertão Okira prega sustentabilidade, movimenta economia local e homenageia a região

Por: André Clemente - Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/09/2018 11:00 Atualizado em: 06/09/2018 23:37

Linhas abrangem peculiaridades exclusivas que homenageiam o Nordeste. Foto: Okira/Divulgação
Linhas abrangem peculiaridades exclusivas que homenageiam o Nordeste. Foto: Okira/Divulgação

Ingredientes naturais e orgânicos, incluindo óleos essenciais e mel puro, são a base dos produtos produzidos pela Okira, empresa instalada em Olinda, na Região Metropolitana do Recife, que atua na produção de perfumes, cosméticos e afins. Okira é a fusão de duas palavras de origem Tupi: Okara, que significa "praça central da aldeia, ponto de encontro" e Ira, que destaca a abelha e, por extensão, mel. Essa união, mais que produtos com base natural, revelam o pensamento da empresa de alinhamento entre natureza e sociedade, "uma celebração da biodiversidade nordestina com os princípios de bem-estar responsável". Os produtos são a prática de impacto social e homenagem ao estado.

A ideia de Okira veio da experiência dos sócios Heather e Dominic Ridout no terceiro setor. "As ONGs que atuam na capacitação de jovens marginalizados fazem um trabalho muito bom. Os jovens vêm apresentando boas habilidades, mas não conseguem emprego, porque ainda se tem muitas barreiras. Então a gente pensava em criar uma ponte da ONG para o mercado de trabalho, porque a gente entende que essa transição precisa ser feita de forma responsável", pontuou Dominic. "A ideia era essa e depois virou um negócio em si. Minha sócia tinha experiência no mundo dos cosméticos e eu criava abelhas, então a gente juntou para criar Okira, que, até agora, é uma marca de cosméticos, mas no futuro será uma marca de impacto social, multiplicando boas práticas de capacitação e empregabilidade de jovens em situação de vulnerabilidade", planeja.

Okira é nordestina, pernambucana e com o real objetivo de reverenciar a região através dos produtos. "Tudo é comprado da região, movimentando a economia local. O mel é de uma cooperativa do Sertão do Pajeú, da agricultura familiar, e sustentável. A apicultura é sustentabilidade, por promover melhorias no meio ambiente. Na outra ponta, os produtos realmente celebram a cultura e as tradições da região. O design tem flores da caatinga, ladrilhos hidráulicos das casas antigas, a linha de sabonete foi inspirada nas casas de Olinda, entre outros. A gente sempre pensa em como reverenciar Pernambuco e o Nordeste", detalhou.

As fragrâncias da Okira, por exemplo, foram inspiradas nas fases do dia do Nordeste brasileiro. Os aromas abrangem peculiaridades exclusivas que reverenciam a região. São feitas com uma composição 85% orgânica, incluindo óleos essenciais aromáticos. "O aroma do amanhecer foi inspirado no litoral. Pense numa manhã fresca de passeio na orla, um aroma cítrico e verde. O entardecer tem um aroma floral, mais clássico, mais nostálgico, inspirado em Olinda, com um pôr do sol com a brisa soprando. Já o anoitecer foi para celebrar o Sertão, com um oléo essencial que vem da raiz de plantas, um cheiro da terra depois de chover", destaca. "Visamos atuar em parceria com a natureza de forma que seja valorizada e preservada. Tanto quanto possível, buscamos parcerias com fornecedores que compartilham dos nossos valores e objetivos sociais e ambientais", complementou. Okira não realiza testes em animais.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.