Aprovado Paulo Câmara deve assinar nesta terça a criação do Draco Na sessão de ontem na Alepe, os deputados aprovaram, por maioria, o parecer da Comissão de Redação Final ao projeto

Por: Rosália Rangel - Diario de Pernambuco

Publicado em: 06/11/2018 11:55 Atualizado em: 06/11/2018 12:08

Foto: Paulo Paiva / DP
Foto: Paulo Paiva / DP
O projeto de lei aprovado na Assembleia Legislativa de Pernambuco, que criou o Departamento de Repressão ao Crime Organizado (Draco), chegou ontem à Procuradoria Geral do Estado. O texto será revisado e depois seguirá para sanção do governador Paulo Câmara (PSB), que deverá assinar hoje o documento. A proposta foi duramente criticada por parlamentares de oposição e segmentos sociais por extinguir as delegacias de Polícia de Crimes Contra Administração Pública (Decasp) e a de Crimes contra Propriedade Imaterial (Deprim). O projeto foi aprovado na última quarta-feira.

Na avaliação do deputado estadual Isaltino Nascimento (PSB), líder do governo na Alepe, não existem motivos para reações contrárias, a partir da sanção do projeto, a exemplo do que aconteceu durante as sessões de votação. “O projeto cumpriu todas as etapas necessárias até a aprovação em plenário. Então, do ponto de vista de conteúdo e forma, está tudo correto”, destacou o parlamentar.

Ao defender a criação do novo departamento, Isaltino disse, ainda, que o estado tem legitimidade para defender a administração pública e está trabalhando para isso. “O Draco vai atuar não apenas na Região Metropolitana, mas em todo o estado no combate ao crime organizado. Além disso, vai poder trocar experiência com outros estados. O governador está criando um departamento que vai sair de 10 para uma centena de policiais”, destacou Isaltino.

Na sessão de ontem na Alepe, os deputados aprovaram, por maioria, o parecer da Comissão de Redação Final ao projeto, que é de autoria do Poder Executivo. Os parlamentares, no entanto, voltaram a divergir sobre a extinção da Decasp e da Deprim. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.