entrevista 'Não é uma novidade para o juiz Sérgio Moro fazer política', diz Jucá Para o senador do MDB, o juiz já fazia política com a imprensa, com o Judiciário e com a sociedade

Por: AE

Publicado em: 06/11/2018 09:42 Atualizado em:

Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil
Um dos políticos mais experientes do atual Congresso, o senador Romero Jucá (MDB-RR) não se arrisca a traçar um prognóstico sobre o juiz Sérgio Moro como ministro da Justiça. "Não temos que ter preconceito". O emedebista, que já foi apontado como articulador de uma reação política à Lava Jato após ter conversa vazada na qual falava sobre um suposto "acordo nacional" para conter a "sangria", afirma não temer uma "caça às bruxas" no futuro governo de Jair Bolsonaro. "As bruxas já são as bruxas, não são reconhecidas no mundo real. O governo vai ter que cuidar do mundo real."

Sem mandato pela primeira vez em 25 anos, Jucá diz que não é hora de parar. "A política está no meu sangue, acho que sei fazer isso bem", afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo o político que foi líder do governo no Senado dos últimos quatro presidentes e ministro de dois deles.

Como o senhor avalia a indicação do juiz Sérgio Moro para o governo Bolsonaro?

Bolsonaro assume no contexto de ter sido depositário de ódios, de revoltas, de tudo isso que se conceituou como culpar a política pela situação individual de cada pessoa. Ele assume com esse tipo de cobrança latente, com a cobrança do que pregou. Não sou daqueles que critica a escolha do Moro, nós temos que respeitar. Não temos que ter condenação prévia de ninguém, não temos que ter preconceito. A posição do MDB (em relação ao governo Bolsonaro) é uma posição de independência, é diferente da neutralidade que tivemos no primeiro turno. Neutralidade é você liberar e não se manifestar. Independência é você avaliar e se posicionar a cada questão política que teremos no Brasil.

Críticos da Lava Jato sempre disseram que intenção era destruir os políticos para ocupar a política. A escolha do Moro é uma confirmação disso?

Em si só, não. Vamos ter que esperar as ações. Acho que o Moro tem todo o direito de ir para o Ministério. O Moro só não é a Operação Lava Jato, é um segmento importante. Ele simboliza (a Lava Jato), eu acho que ele (Bolsonaro) deve ter pesado muito isso.

Moro vai ter de aprender a ser político?

Todo mundo é político. Ele fazia política. Ele fez política com a imprensa, fez política com o mundo Judiciário, com a sociedade ele fez política. Não é uma novidade para ele fazer política. Só que o tipo de política que ele vai fazer vai ser ampliado, algumas vertentes que ele não atuava, ele vai ter que atuar. Se ele atuou bem em todas essas situações que ele viveu...é uma pessoa inteligente, tenho certeza que ele poderá fazer um bom trabalho.

Com essas nomeações, Bolsonaro começa com uma expectativa alta em relação ao governo?

Começa alta porque, apesar de ele não ter verbalizado certas coisas, o contexto no qual a campanha dele se colocou está impregnado na sociedade. As pessoas vão querer melhorar de vida. Cobrança será alta, ele vai ter que administrar isso.

Políticos experientes do MDB vão saber fazer política sem estar próximos a cargo e a governo?

A necessidade ensina. Você não pode ficar preso ao modelo que foi completamente reformulado. Quem insistir nisso, está fora do jogo.

O senhor dizia, em 2014, que se candidataria apenas mais uma vez em 2018. Após este resultado, vai deixar a política?

A política está no meu sangue, eu sei fazer isso bem. Eu não ter mandato não quer dizer que eu não possa debater, participar. Se eu vou ser candidato daqui quatro anos, vai depender da conjuntura, da minha condição de vida. É uma avaliação para ser feita no momento. Não está nos meus planos. Vou cuidar da minha vida, eu sobrevivo do meu trabalho, não tenho posses.

Na campanha, Bolsonaro também fez do combate à corrupção uma bandeira. O senhor teme algum tipo de caça às bruxas?

Eles é que têm que falar. O governo não pode perder tempo com caça às bruxas porque as cobranças virão. As bruxas já são as bruxas, não são reconhecidas no mundo real. O governo vai ter que cuidar do mundo real, principalmente.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.