Eleições 2018 Especialistas avaliam as consequências políticas e eleitorais do atentado Para especialistas, Jair Bolsonaro tende a ser visto como vítima, reduzindo sua alta taxa de rejeição

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 07/09/2018 11:34 Atualizado em:

O candidato do PSL nas ruas de Ceilândia, onde esteve na terça-feira: tempo de recuperação pode ser ponto negativo na campanha
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O candidato do PSL nas ruas de Ceilândia, onde esteve na terça-feira: tempo de recuperação pode ser ponto negativo na campanha (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Líder nas pesquisas de intenção de voto sem o petista Luiz Inácio Lula da Silva na corrida presidencial, Jair Bolsonaro (PSL) tem mais chances de subir a rampa do Planalto depois do atentado sofrido ontem em Juiz de Fora (MG), afirmam analistas. “Simbolicamente, ele fica fortalecido, e os ataques a ele podem se reduzir”, diz Maria Tereza Sadek, professora de Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP).

“Ele ganha votos por simpatia e pena”, explica David Fleischer, professor de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB). Na avaliação do professor, as chances que aumentam são de vitória no segundo turno, pois a possibilidade de Bolsonaro chegar à etapa final era praticamente certa antes da agressão, segundo as pesquisas. “A rejeição dele agora tende a diminuir”, ressalta. Encabeçando a lista na intenção de voto, o candidato do PSL também está no topo do ranking quando a pergunta é em quem o eleitor não pretende votar de jeito nenhum. Assim é nos levantamentos conhecidos, o que pode mudar, porém, nos próximos, diz Fleischer. Pelo levantamento do Ibope, por exemplo, o mais recente, Bolsonaro perderia no segundo turno para Marina Silva (Rede) ou Ciro Gomes (PDT). Ficaria à frente apenas de Fernando Haddad (PT), mesmo assim, numericamente empatado.

Os outros candidatos, a partir do ataque, não devem se sentir à vontade para explorar a contradição de que Bolsonaro, agora vitimado, fazia apologia da defesa das pessoas por meios próprios contra o crime, incluindo o uso de armas. “Esse discurso é perigoso, pois pode se voltar contra quem usar”, alerta Fleischer. Roberto Romano, professor de filosofia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), alerta para o risco oposto. “Se ficarem na defensiva, como estão, os adversários de Bolsonaro vão se tornar vulneráveis a ataques dos correligionários dele, como se admitissem que são responsáveis pelo que aconteceu”, afirma.

Na avaliação de Romano, os candidatos deveriam ter lamentado o atentado, mas, em seguida, ter ressaltado que Bolsonaro foi vítima do tipo de atitude que sempre alardeou. Em 3 de setembro, por exemplo, o candidato do PSL disse durante um ato de campanha: “Vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre”. Para Romano, se não explorarem isso, os adversários de Bolsonaro podem perder votos. “Eleição só se ganha com ataque. Foi assim, sobretudo, com Fernando Collor e com Dilma Rousseff, que, aliás, exagerou na dose devido à atuação de seu marqueteiro, João Santana”, avalia.
 

Saúde

Em consequência desse dilema não resolvido para os candidatos, Romano acha que ainda é cedo para dizer que Bolsonaro será beneficiado politicamente pelo atentado. “Os defensores mais fervorosos vão transformá-lo em um mártir. Se isso vai ter uma repercussão mais ampla, é outra história”, nota. Fleischer, da UnB, embora veja um cenário predominantemente favorável ao postulante do PSL, enxerga riscos também, sobretudo por conta da saúde do militar da reserva. “Se a recuperação do ferimento demorar, e ele ficar muito tempo fora de combate, isso pode atrapalhar”.

O cientista político Eurico Figueiredo, professor e diretor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), vai na mesma linha. “Bolsonaro não tem estrutura partidária e precisa fazer campanha nas ruas. Se ele não se recuperar rapidamente, outras candidaturas da direita podem se beneficiar”, analisa.

Risco de radicalização

Para o sociólogo e cientista político Paulo Baía, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a tendência é de radicalização ainda maior dos partidários de Bolsonaro. “Perdeu-se espaço para outros presidenciáveis sensibilizarem o eleitor com racionalidade. Agora, entramos em uma fase passional. Bolsonaro vai criar um contexto de vitimização e ataque que só beneficiará quem já estava em uma campanha de radicalização”, pondera.

Na avaliação de Baía, o clima de passionalidade tende a beneficiar o vice-candidato do PT e potencial presidenciável petista, Fernando Haddad. A narrativa construída pela legenda, de prisão política e injustiça das corporações com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pode fortalecer a candidatura. “A retórica radical petista deve tirar votos de Ciro Gomes (PDT) e levá-lo ao segundo turno contra Bolsonaro”, sustentou.

As perspectivas de polarização entre PT e Bolsonaro no segundo turno não são tão nítidas na avaliação de Figueiredo, da UFF. Para ele, a corrida eleitoral ainda está aberta. A associação com a esquerda política e o passado vinculado ao PSol do suspeito de agredir Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira, podem aumentar a rejeição aos petistas. Fleischer também vê riscos para Haddad, “que já está fraco”.

Uma unanimidade entre os analistas é o fato de que o atentado muda a situação das disputas políticas no país. “É a pior coisa que pode acontecer à democracia. Algo muito significativo é a presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Rosa Weber, sempre muito discreta, ter se pronunciado tão prontamente. Isso é inédito na eleição brasileira”, destaca Fleischer. Remete, ele nota, ao que aconteceu em 1968, quando o senador democrata Robert Kennedy, que pretendia ser eleito presidente, foi assassinado no lobby de um hotel em Los Angeles.

Ataque politizado

O coordenador político da campanha de Jair Bolsonaro, o deputado federal Delegado Francischini (PSL-PR), disse à reportagem que vai entrar com representação na Polícia Federal para que seja investigada a possibilidade de o atentado contra o candidato do PSL ser um “crime político”. “Queremos saber se tem um autor intelectual (do atentado). Para nós, é um crime político, ele (autor da agressão) foi filiado ao PSol. Queremos saber se tem alguém acima desse cara, alguém que o induziu”, disse. Francischini disse que Bolsonaro “vinha falando sempre” sobre a possibilidade de ser atacado por alguém contrário à sua candidatura. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.