Alianças PT acusa prefeito de Serra Talhada de indisciplina e infidelidade partidária O prefeito declarou apoio a coligação 'Pernambuco Quer Mudar', liderada pelo senador Armando Monteiro Neto, que é candidato ao governo do estado pelo PDT

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 03/09/2018 18:05 Atualizado em: 03/09/2018 18:14

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Em nota, divulgada nesta segunda-feira (3), a Comissão Executiva Estadual do PT em Pernambuco, acusa o prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), de indisciplina e infidelidade partidária. A legenda informou ainda que irá instalar um processo disciplinar contra o político.

Nesse domingo (2), o prefeito declarou apoio a coligação "Pernambuco Quer Mudar", liderada pelo senador Armando Monteiro Neto, que é candidato ao governo do estado pelo PDT e principal concorrente junto a Paulo Câmara (PSB).  O petista é um nome forte no Sertão do estado e o principal aliado e coordenador da campanha de Marília Arraes (PT), que disputa uma cadeira na Câmara Federal. 

Veja um trecho da nota da Comissão Executiva Estadual do PT:
" 4-Para a nossa surpresa, no dia de hoje, o prefeito de Serra Talhada anunciou o seu apoio à chapa cujos líderes adotaram posições claras e asseguraram os seus votos para a aprovação de todas as medidas propostas por Michel Temer, de forte conteúdo anti-povo e contra a soberania brasileira, como a brutal supressão dos direitos fundamentais do trabalhador (a reforma trabalhista); como a PEC da Morte, congelando os investimentos em Educação e Saúde e em outros gastos sociais; como a entrega do pré-sal aos interesses internacionais, dentre outras medidas lesivas ao País e ao nosso Povo. Forças políticas que defenderam e apenas não aprovaram a Reforma da Previdência e a privatização da Chesf e do rio São Francisco em razão da forte reação da sociedade brasileira, do PT e dos partidos a nós aliados, em especial o PCdoB e o PSB em Pernambuco;

5 - Agrava a nossa surpresa, porque foi um posicionamento individual do prefeito Luciano Duque, sem debater e sequer informar previamente à Direção Estadual, quando ele e todos os petistas sabemos, ao se filiar, que assumimos um compromisso com um partido que preza muito pela democracia interna, pela nossa diversidade e pela nossa liberdade na defesa das opiniões, mas que, também, tem como cláusulas pétreas o respeito às decisões colegiadas finais de nossas instâncias partidárias e ao nosso Estatuto;

7 - Diante de tudo, isso, DECIDIMOS adotar as seguintes medidas previstas e determinadas no Estatuto do PT :
7.1. a instauração de processo disciplinar, previsto no artigo 171, §§ 1º e 2º, combinado com os artigo 234, alínea a, com vistas à aplicação das penalidades que a Comissão de Ética e a instância partidária entenderem cabíveis, após o regular exercício do direito de defesa;
7.2. a avocação para a Comissão Executiva Estadual da competência para instaurar e para processar o procedimento disciplinar acima referido, com fundamento no relevante fato descrito e na previsão dos artigos 171, §2º, e 232, parágrafo único, do Estatuto Partidário do PT" 
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.