ELEIÇÕES 2018 PSDB altera vídeo com dado associado ao PCC A campanha alterou parte em que apareciam os números da facção criminosa, após repercussão e, grupos de WhatsApp

Por: AE

Publicado em: 01/09/2018 08:42 Atualizado em: 01/09/2018 10:52

Vídeo original da campanha de Alckmin mostrava os números 1533 substituindo "Ordem e Progresso" na bandeira do Brasil. Foto: Reprodução/Campanha original de Geraldo Alckmin/Estadão Conteúdo (Reprodução/Campanha original de Geraldo Alckmin/Estadão Conteúdo)
Vídeo original da campanha de Alckmin mostrava os números 1533 substituindo "Ordem e Progresso" na bandeira do Brasil. Foto: Reprodução/Campanha original de Geraldo Alckmin/Estadão Conteúdo
O primeiro vídeo da campanha presidencial de Geraldo Alckmin, candidato do PSDB, nas eleições de 2018, divulgado na terça-feira passada pelo seu comitê, trazia duas imagens da bandeira do Brasil em que, no lugar da frase “Ordem e Progresso” apareciam em negativo os números 15 3 3, símbolo da maior facção criminosa do País, o Primeiro Comando da Capital (PCC).

Depois da repercussão em grupos de WhatsApp, a campanha alterou o vídeo, retirando as imagens da bandeira por meio de uma edição. Manteve, porém, todo o restante da produção.

No vídeo original, uma atriz negra anda pelo corredor de uma comunidade carente logo no início da peça publicitária, que tinha 1 minuto e 17 segundos de duração. 

A bandeira com a inscrição do crime organizado aparecia no sexto segundo do vídeo. Mais adiante, quando o vídeo completava 1 minuto, a inscrição 15 3 3 aparecia novamente.

Os números são uma referência às letras P, a 15.ª letra do alfabeto, e C, a terceira letra. Eles são escritos por presidiários em panos e pintados no chão de presídios paulistas desde meados dos anos 1990, quando a facção foi criada por condenados do sistema prisional de São Paulo.

A reportagem procurou a campanha de Alckmin e a equipe de produção para saber onde foi feita a filmagem e se o vídeo seria ou não mantido na campanha do candidato tucano. 

Até a conclusão da reportagem, nenhum deles havia respondido.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.