eleições Primeiros "ruídos" vindos da oposição Conversa entre Bruno Araújo e André Ferreira sobre composição da chapa irritou Armando Monteiro Neto, que diz coordenar a escolha dos nomes

Por: Rosália Rangel - Diario de Pernambuco

Publicado em: 12/07/2018 10:00 Atualizado em:

Bruno quer disputar o Senado na chapa de Armando, com André saindo para deputado. Foto: Marlon Diego/Nando Chiappetta/Roberto Soares/Alepe/Divulgação
Bruno quer disputar o Senado na chapa de Armando, com André saindo para deputado. Foto: Marlon Diego/Nando Chiappetta/Roberto Soares/Alepe/Divulgação

Um possível acordo fechado entre os presidentes do PSDB, Bruno Araújo, e do PSC, André Ferreira, para compor a chapa majoritária das oposições causou um ruído na coligação Pernambuco vai mudar, liderada pelo senador Armando Monteiro Neto (PTB). O entendimento seria no sentido de Bruno entrar na disputa para o Senado, enquanto Fred Ferreira (PSC), cunhado de André, ocuparia a vaga para vice. No início da semana, o PSDB anunciou o desejo de ficar com a segunda vaga do Senado, mas não tratou das articulações com o PSC.

Ontem, com a divulgação da conversa ocorrida entre Bruno e André, na qual teriam definido nomes e os cargos para cada partido, Armando Monteiro reagiu. “Não sabia que se definia chapa pelos jornais. Como candidato a governador, com a delegação que recebi do conjunto (de forças) desde a consolidação da formação da frente Pernambuco vai mudar, sou eu que coordeno o processo. Salvo se me for retirada essa delegação”, avisou o petebista.

Segundo informações de bastidores, o acordo entre Bruno e os Ferreira seria o principal motivo para justificar a reação de Armando. Isso porque, segundo integrante da coligação, a questão (de um Ferreira ocupar a vice) nunca havia sido tratada pelo grupo. Na verdade, as articulações teriam como principal foco a retirada do deputado federal Daniel Coelho (PPS) do páreo. O parlamentar, ainda de acordo com informações de bastidores, é um nome que tem a simpatia de Armando. 

Bruno Araújo procurou amenizar a situação, postando uma declaração na conta dele no Twitter. “O PSDB contribuirá na chapa com um novo modelo de gestão para Pernambuco. Toda e qualquer decisão sobre essa composição será tomada, como tem sido, no ambiente interno da aliança e no momento adequado”, ponderou. 

André Ferreira foi procurado pela reportagem, mas não retornou as ligações feitas para o celular dele. Em entrevista a uma rádio local, no entanto, afirmou que Bruno aceitou o desafio de concorrer ao Senado e que seu grupo político tem legitimidade para participar da chapa majoritária da frente Pernambuco vai mudar. O deputado deixou claro ter consciência de que as indicações devem passar pela avaliação de Armando Monteiro. Ele também confirmou que vaga do Senado seria dele, mas que a morte do presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Uchoa há quase 10 dias, mudou o rumo das coisas.

Segundo André, com a decisão de Guilherme Uchoa Júnior (PSC), filho de Uchoa, de disputar uma cadeira de deputado estadual, o caminho dele é a Câmara dos Deputados. “Com isso, tenho o compromisso de reforçar a bancada a nível nacional. Mudou a prioridade. Vou disputar para deputado federal”, garantiu na entrevista. As conversas para definir o assunto devem acontecer na próxima semana. Ontem, o prefeito de Ribeirão, Marcelo Maranhão (PSB) declarou apoio a Bruno Araújo, caso o nome dele seja confirmado para o Senado.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.