velório Padre Quevedo é velado em capela na Região Norte de Belo Horizonte Jesuíta conhecido pelo bordão 'isso non ecziste' apresentava um quadro no Fantástico onde desvendava fenômenos da natureza e desmascarava charlatões

Por: Estado de Minas

Publicado em: 10/01/2019 10:04 Atualizado em:

Missa de corpo presente realizada no Bairro Planalto, Região Norte de BH. Foto: Jair Amaral/EM/DA Press
Missa de corpo presente realizada no Bairro Planalto, Região Norte de BH. Foto: Jair Amaral/EM/DA Press
Começou, por volta das 9h desta quinta-feira (10/1), a missa de corpo presente do Padre Quevedo, que morreu, aos 88 anos, nessa quarta em Belo Horizonte (MG). A cerimônia é realizada na Capela Santo Inácio situada dentro do câmpus da Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (Faje), no Bairro Planalto, Região Norte da capital. O sepultamento está marcado para as 11h no Cemitério Bosque da Esperança. 
 
Conhecido pelo bordão “Isso non ecziste”, no período entre 2 de janeiro e 5 de maio de 2000, o jesuíta espanhol Oscar González Quevedo Bruzan apresentava um quadro O caçador de enigmas no programa Fantástico, da TV Globo, com apresentação de Cid Moreira. O objetivo era desvendar fenômenos da natureza e desmascarar charlatões, investigando casos relacionados a casas mal-assombradas, gravações do além, premonições, dentre outros mistérios. O espaço do padre Quevedo no programa virou sucesso nacional depois de ter surgido como sucessor de Mister M, fenômeno de audiência naquele ano.
 
Na década de 1970, quando desmascarou o ilusionista israelense/britânico Uri Geller, que dizia entornar talheres com seus poderes paranormais, o jesuíta ganhou fama. Quevedo estava afastado da mídia desde 2011. Depois do sucesso na Globo, ele chegou a fazer participações em programas de outras emissoras de televisão.

Natural de Madri e naturalizado brasileiro na década de 1960, padre Quevedo deixou diversos livros escritos, inclusive sendo traduzidos em outras línguas, como O que é parapsicologia, A face oculta da mente e As forças físicas da mente. Além de parapsicologia, área que era considerado um especialista, era formado em filosofia, teologia e humanidades clássicas.

Quevedo morava na Casa Irmão Luciano Brandão desde 2012. No local são atendidos jesuítas idosos e com problemas de saúde.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.