Equivalente Museu Nacional recebeu 15% dos salários brutos dos ministros do STF em 2017 Segundo a Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados, no ano passado, o museu recebeu R$ 643,5 mil. Os salários somados dos ministros da Corte no mesmo período alcançaram R$ 4,44 milhões

Por: Correio Braziliense

Por: Deborah Fortuna

Publicado em: 03/09/2018 20:18 Atualizado em:

Foto: Carl de Souza/ AFP
Foto: Carl de Souza/ AFP
O Museu Nacional do Rio de Janeiro, atingido por um incêndio na noite de domingo (2), recebeu, em 2017, recursos que equivalem a apenas 14,4% dos salários somados dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) no mesmo ano. A comparação é feita com base em levantamento da Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados divulgado nesta segunda-feira (3).

De acordo com a análise, no ano passado, foram destinados para o museu R$ 643,5 mil, valor usado para a manutenção do órgão e bolsas de estudo, entre outros gastos. Considerando o salário atual dos 11 ministros do Supremo, de R$ 33.700, cada um recebeu R$ 404.400 brutos, contando o 13º. O total pago aos 11 ministros em 2017 alcança, portanto, R$ 4,44 milhões. 

Outra comparação que ajuda a evidenciar o descaso com a instituição de pesquisa: enquanto os ministros do Supremo conseguiram um aumento de 16% em suas remunerações a partir do ano que vem — o que deve gerar um impacto de R$ 234 milhões nas contas públicas — o Museu Nacional viu seu orçamento ser reduzido em 34,2% entre 2013 e 2017, caindo de R$ 979,9 mil para R$ 643,5 mil (veja tabela abaixo).

Nos primeiros meses de 2018, a situação estava ainda mais dramática segundo a consultoria da Câmara. Este ano, foram repassados apenas R$ 98,1 mil sendo R$ 46,2 mil repassados pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e outros R$ 51,8 mil pelo Ministério da Cultura, para bolsas de estudo.
 
Falta de recursos 
Antes de ser atingido por um incêndio, o Museu Nacional já passava por problemas financeiros e de estrutura. Em janeiro de 2015, o local fechou as portas temporariamente por causa do atraso dos repasses do governo federal. Em maio deste ano, o lugar chegou a fazer uma vaquinha virtual para reabrir a Sala de Dinossauros. A área foi alvo de um ataque de cupins, que destruiu a base onde estava montado o Maxakalisaurus topai, uma ossada de dinossauro encontrada em Minas Gerais. 
 
Há três meses, quando o Museu Nacional completou 200 anos, foi assinado um acordo com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de R$ 21,7 milhões. O primeiro desembolso do contrato, que incluía a elaboração de um projeto de combate à incêndio, estava previsto para outubro deste ano, no valor de R$ 3 milhões. O fogo, no entanto, chegou antes dos recursos. 
 
Em nota, o banco afirmou nesta segunda-feira que os recursos continuam disponíveis. "Diante do ocorrido, o BNDES está à disposição da direção do Museu Nacional e da Universidade Federal do Rio de Janeiro para redirecionar os recursos já aprovados aos esforços de reconstrução do prédio e, no que for possível, de restauração do acervo", arfima o texto.
 
Recursos destinados ao Museu Nacional do RJ
2018 - R$ 98,1 mil
2017 - R$ 643,5 mil 
2016 - R$ 841,1 mil
2015 - R$ 638,2 mil
2014 - R$ 941 mil
2013 - R$ 979,9 mil

* Fonte: Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.