• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Educação Escolas abandonam a tabuada e permitem o uso da calculadora por alunos

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 19/04/2015 11:07 Atualizado em:

A cobrança da tabuada não é mais a regra nas escolas. Muitas delas nem usam esse termo para se referir aos cálculos básicos de multiplicação, e os alunos não são obrigados a ter na ponta da língua os resultados. A recomendação de especialistas, hoje, é que os estudantes compreendam todas as operações e, depois, memorizem os resultados das contas básicas. Para isso, vale lançar mão de qualquer instrumento: dedos, pedrinhas, palitos e, em algumas escolas, até o uso da calculadora é liberado em certos momentos.

Reginaldo Abreu, coordenador da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) no Distrito Federal, explica que o mito da obrigatoriedade de se decorar a tabuada vem da geração anterior. “Havia uma época em que o aluno não só tinha que decorar a tabuada como também responder verbalmente na frente do professor”, relata. “Algumas pessoas conseguiam. Mas isso causava um trauma em outras que não tinham o mesmo rendimento”, observa. Hoje, muitas escolas nem usam mais o termo tabuada, que ganhou caráter pejorativo. O que permanece é o ensino do processo de multiplicação, que é um desafio, tanto nas escolas públicas quanto nas particulares.
“Se o professor consegue estabelecer a relação de que multiplicar nada mais é do que somar, isso fica banal e facilita o aprendizado”, destaca Reginaldo. Também não há a cobrança de que a questão seja respondida instantaneamente, pois esse é um processo que cada indivíduo constrói pessoalmente. “O objetivo é chegar ao resultado. Se ele souber multiplicar, seja somando, seja multiplicando, não importa. Na medida em que eu compreendo um processo, uso formas alternativas de chegar à resposta. A olimpíada é uma prova disso: o aluno desenvolve o próprio raciocínio, e cada um usa um processo diferente”, acrescenta.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.