Saúde Sindicato dos médicos denuncia má qualidade do atendimento materno-infantil em Pernambuco

Publicado em: 13/03/2019 20:42 Atualizado em: 13/03/2019 20:47

Crédito: Jaqueline Maia/DP/DA Press
Crédito: Jaqueline Maia/DP/DA Press

O atendimento materno-infantil na rede pública de saúde em Pernambuco enfrenta problemas. Um dos mais graves é a falta de assistência ao parto em diversas cidades do interior do Estado, principalmente às gestantes de alto risco. A constatação, que obriga as mulheres grávidas se deslocarem para a capital para terem os filhos longe da família e dos municípios onde vivem, é do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe).  

De acordo com o sindicato, sem assistência, essas gestantes se deslocam para as maternidades localizadas no Recife, que não estão estruturadas para receber um público além da capacidade de atendimento. O quadro atual é de superlotação nas unidades de saúde. O Simepe diz que o excesso de pacientes provoca falta de insumos e material de trabalho, além de resultar na sobrecarga dos profissionais médicos que trabalham nas maternidades públicas.

De acordo com a vice-presidente do Simepe, a ginecologista e obstetra Claudia Beatriz Camara, a situação é ainda mais grave na assistência às mulheres com gestação de alto risco, oferecida em apenas cinco unidades de saúde localizadas no Recife. São elas:  os hospitais Barão de Lucena, Agamenom Magalhães, Hospital das Clínicas, Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira (IMIP) e Centro de Saúde Integrado Amaury de Medeiros (CISAM). 

“Em algumas dessas maternidades, o número de pacientes chega a atingir 200% da quantidade de vagas disponíveis”, alerta Claudia Beatriz.  A obstetra lamentou ainda que o Hospital da Mulher, inaugurado em 2016 pela Prefeitura do Recife como uma unidade de referência, até hoje não tenha aberto leitos destinados às gestantes de alto risco.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.