Prisão Agressor de idoso embarcaria para Portugal nesta sexta-feira

Publicado em: 08/02/2019 10:44 Atualizado em: 08/02/2019 10:59

Delegado Germano Cunha - Titular Delegacia de Proteção ao Idoso, e a delegada Polyanne Farias - Gestora DIRESP. Crédito: Polícia Civil
Delegado Germano Cunha - Titular Delegacia de Proteção ao Idoso, e a delegada Polyanne Farias - Gestora DIRESP. Crédito: Polícia Civil

O homem que agrediu um idoso, no último dia 26 de janeiro, dentro de um condomínio residencial no bairro do Prado foi preso preventivamente pela polícia. Lori Sandry Félix Arruda, 34 anos, foi detido nessa quinta-feira (7) pela Polícia Civil e encaminhado ao Cotel. Lori tinha uma passagem comprada para viajar a Portugal, na noite desta sexta-feira (8). Ele responde por injúria qualificada e lesão corporal.

O agressor tinha uma passagem comprada para viajar para Portugal às 22h45 desta sexta-feira. "Tivemos que realizar um trabalho ágil, junto à Justiça, para efetuar a prisão", detalhou Germano Cunha. De acordo com a polícia, essa não é a primeiro registro de violência de Lori. Ele já tinha respondido por tentativa de homicídio, por processo na Lei Maria da Penha e tinha histórico de violência dentro do condomínio, já tendo quebrado quatro vezes a cancela do portão de acesso aos imóveis. "Ele cometeu contra o idoso não só violência física, mas moral. Pela paz social, achamos por bem pedir a prisão preventiva do agressor", explicou o delegado Germano Cunha, titular Delegacia de Proteção ao Idoso. 

Lori é acusado de passar cerca de dois minutos agredindo o idoso Marco da Silva, 60 anos, depois que a vítima tinha feito queixas sobre o barulho que um grupo de crianças fazia dentro do condomínio. No dia da agressão, ele foi visto andando pelo condomínio sem camisa e com um cooler na mão, mas negou à polícia que teria bebido. "O depoimento dele é totalmente sem credibilidade. Ele diz que agiu em legítima defesa, mas não houve qualquer agressão por parte do idoso. Diferentemnte dele, que em 1 minuto e 59 segundos desferiu 23 socos e pontapés na vítima", comentou o delegado. 

Lori teria dito à polícia que o filho teria sido mordido pelo cachorro do idoso, mas a versão contradiz a vizinhança. "Não há qualquer tipo de imagem que ateste isso. Inclusive, os moradores do condomínio fizeram um abaixo assinado com 190 assinaturas alegando que o idoso é uma pessoa pacata e que a cadela só anda de coleira e é extremamente dócil", complementou Germano Cunha.

Em uma primeira avaliação feitoa pelo Instituto de Medicina Legal (IML), foi constatado que Marco fraturou o nariz, teve desvio de septo nasal e quebra de próteses dentárias. Até o  fim do mês, será feita uma nova avaliação, para atestar a gravidade da lesão. Lori também responderá por injúria pelas palavras que proferiu contra Marco durante a agressão física. "Ele disse várias palavras de baixo calão, disse que aquilo não iria dar em nada, mesmo que as pessoas entrassem em contato até com o presidente da república", acrescentou o delegado.  

Entenda o caso
Morador do condomínio há 20 anos, o idoso contou à polícia que reclamou fo barulho feito pelas crianças próximo ao seu apartamento. Ele esperou pelo pai do menino para que pudessem conversar amigavelmente. Assim que chegou ao local, Lori teria dito: "a gente cria eles assim, para eles fazerem barulho mesmo. E os incomodados que se mudem'". Ao terminar a frase, Lori teria empurrado o idoso, que caiu no chão, e logo depois começou a espancá-lo com chutes e murros. Segundo os familiares da vítima, enquanto batia no vizinho, fez pouco caso da situação e dito: "pode chamar a polícia que não vai dar em nada, eu tenho costa quente".

Os gritos e palavrões do agressor chamaram a atenção de outros moradores do condomínio, que foram até o local e começaram a discutir com Lori, tirando a atenção dele sobre a vítima. Com a distração, vizinhos conseguiram levantar o idoso ensaguentado do chão. Ao perceber a proporção tomada e a quantidade de moradores que se aproximaram, ele levou os filhos para o carro e saiu em alta velocidade pelo condomínio, fugindo do local do crime.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.