Luto no Candomblé Pai Carlos de Xangó morre vítima de câncer Babalorixá estava internado desde 25 de outubro, no Hospital Universitário Oswaldo Cruz

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/11/2018 09:32 Atualizado em: 09/11/2018 09:42

Imagem: Arquivo/DP
Imagem: Arquivo/DP

Conhecido por suas previsões no fim de ano, envolvendo personalidades, o babalorixá Pai Carlos de Xangó do Recife, 65 anos, faleceu na noite desta quinta-feira (8), vítima de câncer. Desde 25 de outubro, pai Carlos estava internado no Hospital Universitário Oswaldo Cruz, onde tratava das consequências da doença. O corpo do babalorixá já está sendo velado no Cemitério Memorial Guararapes, em Jaboatão dos Guararapes, e o sepultamento deve acontecer às 16h desta sexta-feira (9).

No fim do ano passado, pai Carlos de Xangó do Recife previu um ano de encerramento de ciclos, de cobrança da natureza e transformações na política. O babalorixá também acertou na previsão, afirmando que Jair Bolsonaro seria eleito presidente da República. 

O pai de santo ficou famoso e conhecido no país depois de ter recebido da diretoria do Sport Clube do Recife, um boi como pagamento pelos serviços prestados de consulta. Na época, o babalorixá chegou a alertar a direção do clube que se a dívida não tivesse sido paga, o time iria passar por derrotas sucessivas, sem sucesso com a conquista do título. 

O templo de Oju Oba, do pai Carlos, é localizado no terminal do Jordão Baixo. Em 2018, ele completou 50 anos de atuação no candoblé em Pernambuco. Ele costumava dizer que nenhuma religião de matriz africana exigia o sacrifício humano. "Nós cultuamos o candomblé, cultuamos a força viva da natureza. Cultuamos oxalá, que quer dizer a paz, a paz para o mundo. Nós apelamos dia a dia para acabar com a violência e também com essa discriminação com a nossa raiz", ressaltava. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.