• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Irregularidades Trabalhadores de limpeza urbana protestam em São Lourenço da Mata

Publicado em: 13/10/2017 08:30 Atualizado em: 13/10/2017 08:40

Garis que atuam no serviço de limpeza urbana de São Lourenço da Mata realizam uma manifestação na manhã desta sexta-feira. Caminhões utilizados no recolhimento de lixo foram estacionados em frente à sede da prefeitura.

Os trabalhadores prometem fechar ruas do centro da cidade para denunciar irregularidades na contratação da empresa de limpeza pública e os salários atrasados.

Crise - No dia 27 de setembro, o vice prefeito de São Lourenço da Mata, Gabriel Neto (PRB), assumiu o cargo. O político e médico havia rompido com o prefeito no início do ano e retomou os trabalhos como prefeito, depois que o prefeito Bruno Pereira (PTB), e os secretários de Finanças, Jucineide Pereira de Melo, e Saúde, Breno Nogueira, foram afastados.

 

Com nove meses no cargo, o gestor foi destituído do cargo por tempo indeterminado e está proibido de acessar a prefeitura por determinação do desembargador Odilon de Oliveira Neto, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). O petebista e outros seis servidores públicos são investigados por desvios de bens e rendas públicas na Operação Tupinambá.


Segundo o delegado da Polícia Civil, Joselito Kehrle, também foi encontrada uma quantia de R$ 23 mil na casa do prefeito, além de documentos. Outras duas pessoas foram presas: uma empresária por posse ilegal de arma e um guarda municipal, por porte ilegal de arma. Ambos possuíam revólveres calibre 38 em casa.

Ao todo, a 35ª operação de repressão qualificada do ano, da Polícia Civil, cumpriu 14 mandados de busca e apreensão domiciliar contra Pereira, empresários e servidores municipais nas cidades de São Lourenço da Mata, Recife, Camaragibe, Caruaru e Bezerros.

O delegado da PC, Joselito Kehrle, disse que pediu o afastamento dos servidores para evitar interferência nas investigações. Segundo ele, a apuração do caso começou há três meses, após denúncia ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e o Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE), que atuaram conjuntamente com a Polícia Civil. O delegado, entretanto, não detalhou como funcionava o esquema, o que será feito hoje em coletiva. Na execução da operação, participam 110 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães, além de auditores do TCE-PE.

O prefeito de São Lourenço da Mata, Bruno Pereira, por meio de sua assessoria de comunicação, informou que “só irá se pronunciar em relação à Operação Tupinambá quando seus advogados tiverem acesso aos autos do inquérito policial”. “Até o momento, informamos que não foi disponibilizado aos advogados quaisquer conteúdos por parte da Polícia Civil. A defesa aguarda por informações de inteiro teor para que possa de manifestar”.

 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.