• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Ganhe o Mundo O grande salto de Yasmim Atleta está ansiosa para ter a oportunidade de passar uma temporada treinando no exterior

Publicado em: 29/06/2015 14:50 Atualizado em:

Jovem, que treina no Santos Dumont, ganhou bolsa para estudar no exterior. Foto: Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres
Jovem, que treina no Santos Dumont, ganhou bolsa para estudar no exterior. Foto: Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres
Quando começou a treinar atletismo, há três anos, Yasmim Gomes não imaginou que os estudos e a paixão pelo esporte a levariam tão longe. Aos 15 anos, a morena humilde de sorriso largo está entre os atletas que irão embarcar em agosto para um intercâmbio no Canadá.

O convite para integrar o grupo surgiu há cerca de dois meses, quando representantes da Secretaria Estadual de Educação fizeram uma reunião para anunciar a boa-nova aos selecionados. “Eu não sabia nem o que era um intercâmbio, só sabia que era aquele pessoal que viajava. Quando eles explicaram que era para a gente aprender uma outra língua, treinar com pessoas experientes e amadurecer, aí eu tive a certeza de que queria ir”, lembra a jovem, que não esperava viajar tão cedo. “Ninguém da minha família tem passaporte. Eu serei a primeira. Estou muito animada com essa oportunidade”.

Integrante da Associação Atlética Santos Dumont, Yasmim treina desde os 12 anos sob o comando do técnico Daniel Gonçalves. Ao perceber o potencial da menina, que fazia ginástica regularmente no local, o treinador a presenteou com um tênis, incentivando-a a praticar atletismo. “Eu agradeço muito ao meu treinador. Para mim, ele é um pai. Nós treinamos com poucos recursos, não temos patrocínio e, mesmo assim, ele se dedica muito ao que faz”.

Desde que começou a treinar, Yasmim coleciona medalhas, troféus e prêmios. As conquistas impressionam pela pouca idade. Em 2014, ela alcançou o vice-campeonato brasileiro e a 6ª colocação no Sul-Americano Mirim no salto em altura, concorrendo com atletas do Equador, Chile e Argentina.

A atleta, que sonha em fazer faculdade de Fisioterapia e um dia vencer um campeonato mundial, agora se prepara para dar outro grande salto: ganhar o mundo. E as expectativas são as melhores possíveis.
“Eu acho que esse intercâmbio vai mudar a minha vida. A gente vai ter a oportunidade de aprender uma nova cultura, uma outra língua. E, por outro lado, também será importante no meu sonho de chegar a um mundial, porque nada a gente conquista sem esforço”, finaliza otimista.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.