ESCÂNDALO Ex-assessor de Trump é condenado por mentir sobre Rússia George Papadopoulos admitiu ser culpado de prejudicar investigadores para ocultar a verdade sobre seus encontros com enviados da Rússia aos Estados Unidos.

Publicado em: 07/09/2018 20:55 Atualizado em: 07/09/2018 21:12

George Papadopoulos, assessor de política externa da campanha eleitoral do presidente Donald Trump foi condenado a 14 dias de prisão nesta sexta-feira, por mentir no âmbito de uma investigação sobre uma possível interferência russa nas eleições americanas. Papadopoulos "mentiu em uma investigação que era importante para a segurança nacional", disse o juiz federal Randolph Moss. 

"Em janeiro de 2017, cometi um erro terrível pelo qual paguei caro, estou envergonhado", disse Papadopoulos no tribunal em Washignton. "Era jovem e ambicioso". O juiz disse que levou em consideração o "arrependimento genuíno" do acusado ao estabelecer uma sentença leve, que também inclui uma multa de 9.500 dólares, um ano de liberdade supervisionada e 200 horas de serviços comunitários.

"Quatorze dias por US$ 28 milhões - US$ 2 milhões por dia, sem conluio. Um grande dia para a América", ironizou Trump, no Twitter, sobre o custo estimado da investigação do procurador especial Robert Mueller. Ao mentir para os investigadores, Papadopoulos fez "um exercício calculado de interesse próprio sobre o interesse nacional", disse Moss. 

Papadopoulos cooperou por mais de um ano com a investigação do promotor especial Robert Mueller sobre a interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016 e o possível conluio com a campanha de Trump. Ele afirmou que os principais membros da campanha de Trump lhe estimularam, em 2016, a criar laços com a Rússia, mesmo depois de ele ter dito que Moscou tinha e poderia compartilhar informações comprometedoras sobre a rival de Trump, a democrata Hillary Clinton.  

Esses temas agora são o centro da investigação de Mueller, que ameaça cada vez mais pessoas do círculo próximo de Trump e o próprio presidente. Das 35 pessoas e entidades acusadas até agora, Papadopoulos é um dos cinco que admitiram a culpa e o segundo a ser condenado. 

A condenação de George Papadopoulos foi aclamada pela oposição. "Apesar dos constantes ataques do presidente e seus aliados, o promotor especial Robert Mueller e sua equipe demonstraram mais uma vez que estão conduzindo uma investigação séria e profissional", disse o senador democrata Mark Warner.

Professor misterioso - Trump considera a investigação de Mueller uma "caça às bruxas", impulsionada por seus inimigos do Partido Democrata. O advogado de Papadopoulos, Tom Breen, disse que "o presidente dos Estados Unidos dificultou essa investigação mais do que George Papadopoulos". 

Natural de Chicago, Papadopoulos era um analista de petróleo com pouca experiência em Londres quando se juntou à campanha Trump, em março de 2016, como um dos poucos membros do conselho assessor de política externa e segurança nacional do futuro presidente. 

Em apenas algumas semanas, entrou em contato com um professor misterioso, Joseph Mifsud, que dizia ter laços com o Kremlin e que o apresentou a outros que, aparentemente, tinham contatos com o presidente Vladimir Putin, incluindo uma mulher que dizia ser sobrinha dele. 

Em março de 2016, em sua primeira reunião em Washington, Papadopoulos disse a Trump, ao então senador e agora procurador-geral Jeff Sessions e aos membros da equipe de segurança nacional que tinha conexões em Londres que permitiriam uma reunião entre o candidato e Putin antes das eleições de novembro. 

"Enquanto alguns na sala rejeitaram a oferta de George, Trump assentiu com a cabela e remeteu a questão ao senhor Sessions, que pareceu gostar da ideia e disse que a campanha deveria analisá-la", disse Papadopoulos na semana passada. Sessions afirmou que se opôs à ideia.

Em depoimento anterior à sentença, Papadopoulos admitiu ter mentido para o FBI em janeiro de 2017, mas disse que foi guiado pelo desejo de proteger sua carreira e por lealdade ingênua ao governo Trump. "Surpreendido por um interrogatório improvisado, Papadopoulos enganou os investigadores para salvar suas aspirações profissionais e preservar uma lealdade talvez errada ao seu chefe", disse o comunicado. 

© Agence France-Presse


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.