Mulher mata marido envenenado com doses diárias de colírio, nos EUA A esposa admitiu à polícia ter colocado a solução na água do companheiro por diversos dias. Ela já havia atirado na cabeça do marido com uma besta em 2016

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 05/09/2018 08:32 Atualizado em:

Lana passou a ser suspeita depois de o exame toxicológico revelar a presença do elemento químico Tetrahidrozolina no corpo da vítima. Foto:  Divulgação / Polícia de York County
Lana passou a ser suspeita depois de o exame toxicológico revelar a presença do elemento químico Tetrahidrozolina no corpo da vítima. Foto: Divulgação / Polícia de York County
Uma mulher, de 52 anos, foi presa no estado norte americano de Carolina do Sul após ser acusada de matar o próprio marido, 12 anos mais velho, envenenado. Lana Clayton teria usado doses diárias de colírio nas bebidas de Stephen Clayton, até que um dia o idoso veio a óbito, dentro de casa.

Lana passou a ser suspeita depois de o exame toxicológico revelar a presença do elemento químico Tetrahidrozolina no corpo da vítima. A substância é encontrada em colírios OTC (over-the-counter) e sprays nasais, e pode causar infartos, convulsões, falta de ar e, se ingerido em grandes quantidades, coma e morte.

Segundo a BBC, a Polícia de York County acrescentou ao inquérito a acusação pelo crime de adulteração ilegal de alimentos. Em comunicado, a polícia disse que a mulher teria envenenado o companheiro "sem que ele tivesse conhecimento". Antes, Stephen Clayton havia sido declarado morto por ter sofrido suposta queda de escada, em sua própria casa.

A polícia investiga, agora, um incidente acontecido em 2016, também envolvendo o casal, que estava junto há oito anos. Na ocasião, dois anos atrás, a mulher havia atirado na cabeça do marido com uma besta enquanto ele dormia. À época, as investigações classificaram o disparo como acidental. Lana foi encontrada "chorando e abalada" e alegou que o esposo abusava mentalmente dela.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.