• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
OBSERVATÓRIO ECONÔMICO Mr. Trump e o Brasil Por Carlos Magno Lopes*

Publicado em: 24/11/2016 08:00 Atualizado em: 24/11/2016 09:09

Carlos Magno Lopes é professor do Departamento de Economia da UFPE. Foto: Tiago Lubambo/Divulgação
Carlos Magno Lopes é professor do Departamento de Economia da UFPE. Foto: Tiago Lubambo/Divulgação
Os contornos da política externa e suas declarações sobre mudanças na economia norte-americana, forjados ao longo da campanha do presidente-eleito Donald Trump, têm gerado desconfianças e incertezas, não apenas nos Estados Unidos, mas em todas as regiões do mundo. Nesse contexto, os observadores se dividem entre aqueles que sustentam que Trump, na medida em que for se inteirando da realidade, a partir do acesso a informações privilegiadas, incluindo as de inteligência, poderá revisar muitas de suas promessas de campanha; outros argumentam que mudanças significativas não serão implementadas, devido ao risco de perder o apoio de seus eleitores, o qual, em uma sociedade dividida, poderia enfraquecer seu governo desde o início. O fato é que é considerável a percepção de imprevisibilidade associada ao governo Trump, portanto, neste momento, apenas conjecturas podem ser feitas, inclusive sobre as consequências econômicas do governo Trump para o Brasil e a América Latina.

O Brasil não é e, ao que parece, tampouco será um parceiro estratégico, do ponto de vista da política externa americana. Ao contrário do que alguns pensam, ser invisível, no contexto atual, traz conforto, pois significa que Trump não poderá rever tratados relevantes e especiais com o Brasil, simplesmente porque não existem. Por outro lado, a opção de Trump pelo protecionismo enterra de vez as tratativas incipientes para o estabelecimento de acordo de livre-comércio feitas pelo governo brasileiro. Nesse quesito, México, em especial, Peru, Colômbia e Chile poderão ser duramente atingidos, uma vez que já possuem acordos de livre-comércio com os Estados Unidos. É verdade, contudo, que a importação de produtos brasileiros que concorrem com os americanos poderá ser sobretaxada, mas é difícil avaliar com qual intensidade.

No âmbito da política macroeconômica é possível antever alguns desdobramentos das mudanças anunciadas na economia americana, como investimentos em infraestrutura estimados em mais de 100 bilhões de dólares anuais, através de gastos do governo, o que tende a aumentar a inflação, da mesma forma que o aumento da alíquota média de importação, resultante do protecionismo. Ao FED não restará outra alternativa a não ser elevar a taxa de juros, ao mesmo tempo que os investidores internacionais passarão a se desfazer de suas posições em países emergentes, como o Brasil, que poderá experimentar acentuada depreciação cambial. Perguntará o aliviado leitor: “Quer dizer que o Brasil não terá problemas com Trump?”. Isso só aconteceria se o Brasil fosse uma tribo indígena isolada da civilização. Na realidade, as consequências da política de desglobalização de Trump ainda não podem ser melhor avaliadas, pois ainda não há certeza de que será mantida como formulada, após a posse e, se o for, como será, de fato, executada. Enquanto isso, o mundo permanece em vigília.

* Carlos Magno Lopes é professor do Departamento de Economia da UFPE

TAGS: obseconomico

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.