Música 'Música carnavalesca tem que durar o ano todo', diz Rogério Rangel ao lançar disco para o período Conhecido pelos projetos no forró, pernambucano aposta em repertório composto por gêneros como frevo-canção, frevo de bloco e maracatu

Por: Emannuel Bento - Diario de Pernambuco

Publicado em: 20/02/2019 12:28 Atualizado em:

Artista quer fomentar a produção musical no período do carnaval. Foto: Rhaiza Oliveira/Divulgação
Artista quer fomentar a produção musical no período do carnaval. Foto: Rhaiza Oliveira/Divulgação

O cantor e compositor Rogério Rangel, conhecido pelos trabalhos no forró, aproveita o clima momesco para lançar seu primeiro álbum dedicado ao carnaval. Além da quarta-feira é composto por nove faixas autorais e agrega diversos gêneros locais, como frevo-canção, frevo de bloco, maracatu e samba-reggae. Os arranjos e a regência são do maestro Fábio Valois, que também assina a produção musical ao lado do intérprete. O projeto contou com apoio da Sociedade dos Forrozeiros Pé-de-Serra. O evento de lançamento será hoje, a partir das 19h, na loja Passa Disco (Rua da Hora, 345, Espinheiro).

"Tenho participado do carnaval há mais de 30 anos, inclusive festivais como o Frevança, e decidi fazer um disco totalmente dedicado ao período por ouvir reclamações constantes de que o repertório do carnaval é sempre o mesmo”, diz Rogério, em entrevista ao Viver. “A faixa-título, Além da quarta-feira, é justamente para mostrar que a música do carnaval pode durar o ano todo. É uma música que tem luz própria".

"Minha intenção é estimular novidades nessa época. Claro que repercussão depende do público e dos artistas que vão agregar em seus shows. Às vezes, isso demanda tempo. Batalhamos muito para que as rádios toquem. Existe toda uma dificuldade", opina o artista. Outros trabalhos recentes com a mesma intenção de Rogério - fomentar a produção musical no período do carnaval - são os discos Coletivo Carnaval, do Coletivo Pernambuco (composto por nomes como André Rio, Karynna Spinelli, Nena Queiroga, Quinteto Violado e Maestro Spok) e Folia geral, de Maurício Cavalcanti.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.