Solidariedade Olindense faz vaquinha para representar município em concurso de beleza O sonho de Wellington Santos, de 22 anos, é levar a cultura da sua cidade para o mundo

Por: Samuel Calado - Redes Sociais

Publicado em: 18/02/2019 21:18 Atualizado em: 19/02/2019 21:07

Wellington é morador do bairro do Bonsucesso, no Sítio Histórico de Olinda. Foto: WhatsApp/Cortesia
Wellington é morador do bairro do Bonsucesso, no Sítio Histórico de Olinda. Foto: WhatsApp/Cortesia

"A vida é dura, mas o sonho é o que me mantém de pé". Esta é a mensagem que faz o olindense Wellington Santos, de 22 anos, repetir como um mantra ao acordar todos os dias. O rapaz, que trabalha como comerciante e fotógrafo, se prepara para participar do concurso Mister Pernambuco Universe 2019, que será realizado no mês de junho deste ano. Com um sorriso no rosto e a vontade de representar a cultura do município nos quatro cantos do mundo, o jovem - que não tem condições de custear as despesas da inscrição - criou uma vaquinha virtual para conseguir realizar o sonho. 

O morador do bairro do Bonsucesso, no Sítio Histórico de Olinda, começou a carreira no mundo da beleza no ano de 2013, quando tinha apenas 16 anos e foi convidado para participar do concurso Mister Recife Juvenil. Desde então, se apaixonou pelas passarelas e competiu em outros eventos. Hoje, coleciona vários títulos, entre eles o de Mister Black Pernambuco, Mister Simpatia e Mister Pernambuco Eco.  

Ele coleciona alguns títulos conquistados em concursos de beleza. Foto: WhatsApp/Cortesia
Ele coleciona alguns títulos conquistados em concursos de beleza. Foto: WhatsApp/Cortesia

Contudo, ninguém disse que seria fácil. Vindo de família humilde, desde criança Wellington viu e sentiu de perto as dificuldades que um jovem de periferia passa com a falta de oportunidades. Sempre com os pés no chão, agarrou todas as chances que a vida lhe proporcionava. Para ele, cada não que a vida dá é um impulso para caminhar. Outra questão foi o racismo que enfrentou. “Até agora, fui o único negro a participar dos concursos que eu fui. Quero romper esse padrão de beleza que a sociedade impõe e mostrar a beleza herdada pelos povos africanos. Tenho orgulho da minha pele e da minha cultura”, ressaltou. 

O sonho dele é representar a cultura olindense e o romper os padrões de beleza impostos pela sociedade. Sendo também representatividade negra nas passarelas.  Foto: WhatsApp/Cortesia
O sonho dele é representar a cultura olindense e o romper os padrões de beleza impostos pela sociedade. Sendo também representatividade negra nas passarelas. Foto: WhatsApp/Cortesia

O concurso será no mês de junho, mas o rapaz precisa pagar a inscrição até o dia 25 deste mês. No total, ele precisa de R$ 500,00, mas até o momento, só conseguiu arrecadar um terço do valor. Ele disse que tentou entrar em contato com a Secretaria de Cultura de Olinda, mas não teve retorno. “É triste querer representar a minha cidade e não ter a mínima ajuda. Até hoje espero o contato do pessoal”. As pessoas que puderem ajudar, podem acessar o link e contribuir. “Sei que para muitos pode ser uma mixaria, mas esse é o meu sonho e quero realizá-lo. Eu penso que quando a gente acredita nos nossos sonhos, o universo dá um jeito de ajudar”, disse. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.