Web Internauta comete gafe com nome de música do Skank e viraliza na internet Em publicação no Instagram, Samuel Rosa se posicionou favorável à criminalização da homofobia e transfobia pelo STF

Publicado em: 13/02/2019 19:49 Atualizado em: 13/02/2019 19:58


O Supremo Tribunal Federal começou a discutir nesta quarta-feira (13), a criminalização da homofobia e da transfobia. A discussão virou assunto nas redes sociais e vários artistas se manifestaram sobre a agora iminente decisão da corte. O músico mineiro Samuel Rosa, do Skank, se manifestou, em seu perfil no Instagram, a favor da criminalização. 

Apesar da publicação ter como objetivo divulgar o posicionamento do cantor e reforçar uma campanha que já conta com engajamento de diversas celebridades, o comentário de um suposto fã chamou a atenção daqueles que acompanhavam a postagem e roubou a cena. 

Na publicação, Samuel escreveu: "Passou da hora né? Chega!". Ao responder o músico, o homem se posicionou contrário à opinião dele e relativizou o posicionamento do cantor, acusando a banda de racismo no passado. Acontece que o embasamento da acusação era o nome de uma música antiga do grupo, que o homem mostrou desconhecer. Então, ele escreveu: %u201CPara mim, isso tudo é frescura. O Skank tem uma música por nome chamado macaco cidadão... Hoje você chamar uma pessoa de macaco é crime. Então para mim isso tudo não passa de uma frescura%u201D.

O próprio cantor respondeu ao comentário, corrigindo o nome da canção, um dos primeiros sucessos da banda: %u201CPACATO cidadão. Por favor%u201D. A gafe ganhou tanto destaque que o diálogo está sendo repostado em várias redes sociais.




Confira:

Visualizar esta foto no Instagram.

Passou da hora né? Chega! @skankoficial

Uma publicação compartilhada por Samuel Rosa (@samuelrosaoficial) em



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.