TV Nova novela da Globo mergulha na cultura pop dos anos 1990 Exibida no horário das 19h, Verão 90 tem elenco composto pelo pernambucano Jesuíta Barbosa, Isabelle Drummond e Rafael Vitti

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 29/01/2019 14:11 Atualizado em:

Verão 90 faz um retrato comportamental de uma época, com músicas que faziam sucesso na época. A era dos clipes em tempos de MTV. Foto: Globo/Divulgação
Verão 90 faz um retrato comportamental de uma época, com músicas que faziam sucesso na época. A era dos clipes em tempos de MTV. Foto: Globo/Divulgação

A nova novela das 19h, Verão 90, que estreia hoje na Globo, é uma trama de época. Pensando bem, soa até estranho usar esse termo para um folhetim situado há apenas duas décadas. Mas, apesar de a década de 1990 ser relativamente próxima, foi revolucionária. Afinal, ela começou analógica e terminou online, com a chegada da internet no meio do caminho no Brasil. “Essa década especificamente mudou a cabeça das pessoas, porque a gente começou nela sem celular, sem internet”, diz Izabel de Oliveira, que divide a autoria da novela com Paula Amaral - as duas já tinham trabalhado juntas em Malhação. “É uma década muito agitada, de música”, lembra Paula. “Essas coisas estão muito na nossa memória afetiva, só que a gente não coloca como algo do passado. O celular tijolão que se colocava na cintura, se usava ficha do orelhão, coisas que não existem mais. É uma época muito diferente do que a gente está vivendo hoje.”

As autoras partem da história do trio central de protagonistas, Manuzita (Melissa Nóbrega/Isabelle Drummond) e os irmãos João (João Bravo/Rafael Vitti) e Jerônimo (Diogo Caruso/Jesuíta Barbosa). Os três se conhecem na infância, nos anos 1980, no Rio, têm mães batalhadoras Lidiane (Claudia Raia) e Janaína (Dira Paes), e juntos formam o grupo infantil Patotinha Mágica, que se torna um grande sucesso nacional. Mas, com o final do Patotinha, a fama acaba, e Manuzita acaba se afastando dos irmãos João e Jerônimo.

Há uma passagem no tempo, e a novela avança para 1990. Universitário, João (Vitti) apresenta um programa de rádio. Já Jerônimo (Jesuíta), rival do irmão, não se conforma com o ostracismo e vai fazer de tudo para voltar a ser famoso. “Jerônimo não é um vilão mau. Ele quer se dar bem na vida, acha que merece mais. Para isso, passa por cima das pessoas, mas ele não tem ódio, não tem coisa da vingança. É meio pilantra, tem humor", explica Paula. O que faz sua mãe, a íntegra Janaína, sofrer. 

Enquanto isso, Manuzita (Isabelle) tenta a carreira de atriz. O problema é que a garota não tem talento para isso. Mas, incentivada pela mãe sem noção, a ex-atriz de pornochanchada Lidiane, ela segue fazendo testes - inclusive para a novela Top model, uma das muitas referências que aparecerão ao longo da novela. “A gente fala sobre três caminhos diferentes. O Jerônimo é nosso vilão que não conseguiu se desvencilhar desse passado dele. A Manuzita é uma atriz sem talento nenhum, a mãe quer que ela seja atriz de qualquer maneira, e ela não consegue emplacar nada e fica perseguindo a fama. E o João soube lidar com isso, não subiu à cabeça. São três trajetórias diferentes a partir do mesmo sucesso”, afirma Paula. 

Até que o destino unirá novamente o trio. E muitos sentimentos virão à tona, como o amor entre João e Manuzita e a inveja de Jerônimo. Esse romance também não agradará a Lidiane, papel que parece cair como uma luva para Claudia Raia. A atriz colecionou sucessos nos anos 1990 na própria Globo, como na novela Rainha da Sucata e na minissérie Engraçadinha. 

TRAMA SOLAR
Com direção artística de Jorge Fernando - que, assim como a amiga Claudia Raia, esteve à frente de importantes trabalhos na década de 1990 -, Verão 90 faz um retrato comportamental de uma época. Os pontos de encontro dos jovens no Rio. As músicas que faziam sucesso na época. A era dos clipes em tempos de MTV. 

Esteticamente, a novela reproduz a atmosfera praiana e solar de tramas “noventistas”, como Top model, Tropicaliente, Mulheres de areia e Corpo dourado. Ainda no campo das referências, o Patotinha Mágica remete ao Balão Mágico, famoso grupo infantil da década de 1980. A política e a economia são retratadas dentro do contexto histórico da época. O confisco da poupança, no governo Collor, vai atingir alguns personagens da trama, como Janaína, que vai precisar se reinventar para sair da crise. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.