Barbie dribla o tempo e completa 60 anos em forma Loira ou morena, esbelta ou cheia de curvas, negra ou branca, princesa ou presidente, a Barbie é uma favorita eterna das meninas

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 04/01/2019 14:48 Atualizado em:

'A narrativa da marca Barbie é que ela é uma mulher jovem e independente que corre atrás de carreiras', afirma McKnight. Foto: STRINGER
'A narrativa da marca Barbie é que ela é uma mulher jovem e independente que corre atrás de carreiras', afirma McKnight. Foto: STRINGER

Ela completa 60 anos este ano e ainda não tem uma única ruga. Loira ou morena, esbelta ou cheia de curvas, negra ou branca, princesa ou presidente, a Barbie é uma favorita eterna das meninas, mesmo que tenha causado controvérsia ao longo dos anos. A boneca icônica evoluiu para acompanhar os tempos modernos – é só checar sua conta no Twitter. E, apesar da forte concorrência na indústria de brinquedos, 58 milhões de Barbies são vendidas a cada ano em mais de 150 países.

“Em uma indústria em que, hoje, o sucesso dura em geral de três a cinco anos, 60 anos é uma grande coisa!”, disse Nathan Baynard, diretor de marketing de marca global da Barbie. A Barbie é tão universalmente conhecida quanto a Coca-Cola ou o McDonald’s, afirma Baynard. Ao todo, mais de 1 bilhão de bonecas Barbie foram vendidas desde que ela fez sua estreia na American Toy Fair, em Nova York, em 9 de março de 1959.

Ela foi inventada por Ruth Handler, cofundadora da Mattel, que se inspirou em seus próprios filhos para criar a boneca. “Sua filha Barbara estava limitada nas escolhas de seus brinquedos – havia apenas bonecos bebês”, contou Baynard. “O único papel que ela poderia imaginar com esse brinquedo seria o de cuidadora, de mãe”, enquanto o filho de Ruth “poderia se imaginar como um astronauta, cowboy, piloto, cirurgião” brincando com o boneco. Barbie é, naturalmente, uma versão abreviada de Barbara.

A boneca deveria ensinar às meninas “que elas tinham escolhas, que poderiam ser qualquer coisa. Em 1959, essa era uma ideia radical!”, afirma Baynard. A Barbie foi um sucesso instantâneo. No primeiro ano, 300 mil bonecas foram vendidas, segundo ele.

CRÍTICAS
Desde o início, as medidas de pin-up da Barbie não pareciam imediatamente tão feministas e provocariam críticas nas décadas seguintes. “Em 1959, sua estrutura corporal foi exagerada para combinar com a estética da época e com o tecido disponível”, disse Carlyle Nuera, designer da Barbie. Desde que a boneca loira chegou às lojas, e depois de uma torrente de reclamações sobre o que eram consideradas proporções irreais, a Mattel fez muitas mudanças, introduzindo vários tipos de corpo e dezenas de tons de pele.

Em 1965, quatro anos antes de Neil Armstrong caminhar na Lua, a Barbie se tornou astronauta. Em 1968, a primeira boneca negra da Barbie, uma amiga chamada Christie, chegou às lojas. Lisa McKnight, vice-presidente sênior e gerente-geral global da marca Barbie, disse que, hoje, 55% das bonecas vendidas em todo o mundo não têm cabelo loiro nem olhos azuis.

A Mattel tem mais de 100 pessoas trabalhando no seu estúdio de design em El Segundo, um enorme edifício semelhante a um hangar, entre o Aeroporto Internacional de Los Angeles e uma rodovia. Os designers começam com um esboço simples. A partir daí, todo protótipo é feito por um exército de especialistas – desde a escultura do boneco com software de última geração e impressão 3D até a pintura do rosto, modelagem do cabelo, escolha de tecidos e criação de padrões de roupas.

O processo completo de design de uma nova Barbie pode durar de 12 a 18 meses. Então, o protótipo é enviado para fábricas na China e na Indonésia para produção em massa.

A Barbie não é apenas um sucesso de lojas de brinquedos – ela tem uma enorme presença nas redes sociais e é uma espécie de influenciadora digital, com milhões de seguidores. Ela tem uma identidade: Barbie Millicent Roberts, da cidade inventada de Willows, no Meio-oeste. E agora ela fala diretamente para as meninas sobre sua vida e importantes tópicos da atualidade.

Em 2018, a marca lançou uma campanha abrangente para ajudar as meninas a acreditar em si mesmas e a não aceitar estereótipos sexistas de gênero. A Barbie tem uma cabeleireira, maquiadora e fotógrafa que viaja com ela “de verdade” nos Estados Unidos e no exterior para sessões fotográficas no Instagram (a conta @barbiestyle tem quase 2 milhões de seguidores). “A narrativa da marca Barbie é que ela é uma mulher jovem e independente que corre atrás de carreiras”, afirma McKnight. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.