Cultura Museu do Homem do Nordeste celebra o Natal com presépio africano Equipamento celebra o espírito natalino com exposição

Publicado em: 13/12/2018 16:00 Atualizado em: 13/12/2018 14:47

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
O Museu do Homem do Nordeste (Muhne) estreia exposição natalina, no próximo dia 18 de dezembro com destaque para o presépio africano e homenagem a Rizonildo Guedes. O evento também terá a presença do poeta paraibano Chico Pedrosa.

Dentre as peças expostas, a Nossa Senhora africana é uma escultura que aparece com os cabelos em dreadlock - penteado que faz parte do movimento rastafári, de origem judaico-cristão e surgido na Jamaica. Além dela, outros personagens representam nacionalidades de todo o mundo e outras religiões, como alemães luteranos, ingleses anglicanos a árabes muçulmanos.

"Para o nosso Museu, muito mais importante do que as diferenças, importam as semelhanças entre as pessoas. Cor, religião, etnia, nada disso tem, de fato importância. São diferenças muito superficiais. O Museu do Homem do Nordeste tem a convicção de que os seres humanos são essencialmente iguais", explicou a antropóloga Ciema Mello, que trabalha com a programação de museologia do Muhne.

Carta aberta de natal do Museu do Homem do Nordeste
Olá Amigos,
Por favor, olhem para o meu presépio africano rodeado por gente do mundo inteiro. Judeus, árabes mulçumanos, alemães luteranos, ingleses anglicanos, católicos franceses, russos ortodoxos. Distintos no aspecto, mas, essencialmente iguais. Gosto de vê-los assim todos juntos, reunidos e indiferentes às suas superficialíssimas diferenças. Sou um Museu de Antropologia. Não ignoro -e respeito- a existência de ateus. Contudo, a maioria das pessoas crê em Deus. Suspeito, que a razão é porque sem Deus a vida seria incompreensível para seres que adquirem muito precocemente a consciência da morte como é o caso do HOMO SAPIENS. Por outro lado, também reconheço que há deuses mais queridos e mais festejados do que outros. Jesus Cristo é um deles. Além de seus milhões de fiéis, dispõe de amigos. Eu estou entre eles. Gosto de imaginá-lo Menino Deus nascendo sobre as palhas, aquecido pelo hálito de burricos, filho de uma moça do povo e de um carpinteiro, Jesus Cristinho! Bom, também gosto de imaginar o que achará o Cristo ressuscitado sobre os excessos cometidos anualmente a título de comemorar o seu aniversário? Papai Noel a soldo nos shoppings centers? Parentes que repassam seus presentes no ano anterior? Chester ou peru? A acirrada e espantosa disputa entre adversários e partidários da uva passa?

Oh Jesus Cristinho e a opulência de uns não chega a ofender a pobreza de tantos?
Quem sou eu para responder a estas perguntas? Sou apenas um Museu.
Sabem, a vida real dificilmente se resolve com os manuais de museologia.
Não passo meu natal solitário. Meus objetos não são inertes. São vivos. São
prolongamentos dos seus artífices. Somos dezesseis mil pessoas. Nós também
festejamos. Fazemos a nossa ceia inevitavelmente “clandestina” porque, amigos a
vida é assim, os museólogos festejam mas, proíbem que os museus façam e
frequentem festas! E, como vocês, esperamos a visita de Papai Noel. Neste ano
pedimos estantes deslizantes para a nossa reserva técnica. Não sei se vocês vão nos incluir nos seus brindes. Nós, tenham certeza, incluiremos vocês nos nossos.

QUE JESUS CRISTINHO NOS INPIRE BRANDURA E APREÇO POR NOSSAS
SEMELHANÇAS. ESSA É A MINHA INTERPRETAÇÃO DO SALMO DE LUCAS:
- GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS E PAZ NA TERRA AOS HOMENS DE BOA
VONTADE.

FELIZ NATAL
MUSEU DO HOMEM DONORDESTE
(O SEU MUSEU)

Serviço 
Quando: 18 de dezembro de 2018
Horário: 16h
Onde: Museu do Homem do Nordeste


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.