Cinema Temporada e Inferninho são os grandes vencedores do XI Janela Internacional de Cinema do Recife Entre os curtas nacionais, Noirblue, de Ana Pi; Quantos eram pra tá?, de Vinicius Silva; e Plano Controle, de Juliana Antunes também se destacaram

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 13/11/2018 11:06 Atualizado em:

O Prêmio João Carlos Sampaio foi para o longa Temporada, de André Novais. Foto: Temporada/Divulgação
O Prêmio João Carlos Sampaio foi para o longa Temporada, de André Novais. Foto: Temporada/Divulgação

O XI Janela Internacional de Cinema do Recife realizou premiação de curtas e longas-metragens neste domingo (11), às 15h20, no Cinema São Luiz (primeiro andar). Na ocasião, o júri oficial do festival, o júri Canal Brasil, o júri Janela Crítica, o júri ABD/Apeci anunciaram os filmes premiados. Os longas Temporada, de André Novais e Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes, foram os mais premiados. Entre os curtas nacionais, Noirblue, de Ana Pi; Quantos eram pra tá?, de Vinicius Silva; e Plano Controle, de Juliana Antunes também se destacaram. 

Na mostra de curtas internacionais, os filmes I signed the petition (Reino Unido / Alemanha/ Suíça), de Mahdi Fleifel; e The men behind the wall (Israel), de Ines Moldavsky, foram vencedores. Confira lista dos vencedores abaixo. O festival foi realizado de 07 a 11 de novembro, no Cinema São Luiz (Boa Vista), Cinema da Fundação (Derby) e Cinema do Museu (Casa Forte). Neste domingo (11), o festival realiza sessões de clássicos, curtas e longas-metragens no Cinema São Luiz (Boa Vista) e Cinema do Museu (Casa Forte). 

JÚRI OFICIAL DO JANELA

Prêmio João Carlos Sampaio, concedido pelo festival, para o longa Temporada, de André Novais
Curtas: André Antonio, Cineasta e professor (PE), Luana Melgaço, Produtora, (MG) e Talita Arruda, Distribuidora (RJ).

CURTAS NACIONAIS
Melhor filme: Noirblue, de Ana Pi
Menção honrosa: Quantos eram pra tá?, de Vinicius Silva
Melhor montagem: Conte isso aqueles que dizem que fomos derrotados, Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cris Araújo e Pedro Maia Brito.
Melhor som: Inconfissões, de Ana Galizia
Melhor imagem: O close up final de “Mesmo com tanta agonia”, de Alice Andrade Drummond

CURTAS INTERNACIONAIS
Melhor filme: The men behind the wall (Os homens atrás do muro), de Ines Moldavsky (Israel)
Melhor montagem: I signed the petition (Eu Assinei a Petição), de Mahdi Fleifel (Reino Unido / Alemanha/ Suíça)
Melhor som: Onward lossless follows (Seguir Adiante Sem Perdas), de Michael Robinson (EUA)
Melhor imagem: As meninas na praia em “Skip day” (Pulando um dia), de Ivete Lucas e Patrick Bresnan (EUA).

PRÊMIO CANAL BRASIL DE CURTAS
Júri: Carol Almeida, Júlio Cavani, Luiz Joaquim, Wanderley Andrade, os três são jornalistas e críticos de cinema.
Troféu Canal Brasil e um prêmio de R$ 15 mil para: Plano Controle, de Juliana Antunes (MG)
Júri Longas: Leonardo Mecchi, produtor (SP), Nina Velasco e Cruz, professora e pesquisadora (RJ/PE) e Pedro Henrique França, jornalista (PE).
Prêmio Mistika Post com R$ 20 mil em serviço de finalização para Melhor Filme
Melhor filme: Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes
Melhor montagem: Tradução Nervosa, de Shiren Seno
Melhor som: Vermelho Sol, de Benjamin Naishtat
Melhor imagem: Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes.
Menção honrosa: à atriz Grace Passô, por sua atuação no importante filme Temporada.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.