cinema Johnny Depp não estará em reboot de Piratas do Caribe Em entrevista ao Daily Mail, Stuart Bettie comenta que o astro de Hollywood não deve mais interpretar Jack Sparrow

Publicado em: 27/10/2018 11:10 Atualizado em:

Ator interpretou o Capitão Jack Sparrow em cinco filmes da saga produzida pela Disney. Foto: Disney/Divulgação
Ator interpretou o Capitão Jack Sparrow em cinco filmes da saga produzida pela Disney. Foto: Disney/Divulgação

Quando se pensa na franquia Piratas do Caribe, logo o nome do ator Johnny Depp, o intérprete de Jack Sparrow, é associado. Mas após 15 anos e cinco filmes, a Disney planeja fazer um reboot da franquia sem a presença do astro. A revelação foi feita pelo roteirista Stuart Bettie.

Em entrevista ao Daily Mail, Stuart Bettie, o roteirista de Piratas do Caribe: A maldição do Pérola Negra (2003), deu a entender que o astro de Hollywood não interpretará mais o excêntrico pirata.

“Acho que que ele teve uma ótima fase. Ele transformou o personagem em algo dele e acho que é o personagem pelo qual é mais famoso até agora”, comentou. “As crianças de todo o mundo adoram ele como este personagem. Tem sido ótimo para ele e para nós também. Acho que Jack Sparrow será seu legado. É o único personagem que ele interpretou cinco vezes, que ele se veste para visitar crianças em hospitais, e por isto será sempre lembrado.”

A franquia Piratas do Caribe, iniciada em 2003, ajudou Johnny Depp a se consolidar com um astro do cinema. O prestígio de outrora nos últimos anos já não era o mesmo, tanto por fracassos em filmes quanto por polêmicas envolvendo o ator. Em 2016, Depp foi acusado por sua ex-esposa Amber Heard de violência doméstica.

Para o reboot, Rhett Reese e Paul Wernick, os roteiristas de Deadpool, estão sendo cotados para escrever o roteiro. Detalhes do título e data de lançamento ainda são desconhecidos.

Os filmes da franquia, Piratas do Caribe: A maldição do Pérola Negra (2003), O baú da morte (2006), No fim do mundo (2007), Navegando em águas misteriosas (2011) e A vingança de Salazar (2017), arrecadaram US$ 4,5 bilhões no mundo inteiro. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.