Literatura Sebo da Torre, um oásis literário fora do Centro Estabelecimento mantido pelo paulista Amauri Mapa é uma referência na Região Metropolitana do Recife

Por: Emannuel Bento - Diario de Pernambuco

Publicado em: 26/10/2018 08:31 Atualizado em:

Amauri Mapa abriu o sebo há 13 anos. Foto: Leo Malafaia/Esp. DP
Amauri Mapa abriu o sebo há 13 anos. Foto: Leo Malafaia/Esp. DP


No Recife, a maioria dos sebos está concentrada no Centro. A partir dessa percepção, aliada a um sentimento de afeto pela cidade e ao desejo de expandir o serviço, o paulista Amauri Mapa decidiu abrir um estabelecimento do tipo no bairro da Torre, na Zona Oeste. Referência para moradores de diferentes partes da Região Metropolitana, o Sebo da Torre funciona há 13 anos no número 674 da movimentada Rua José Bonifácio. 

No local, os leitores podem encontrar clássicos da literatura nacional e estrangeira, obras de ciências humanas, sobretudo história, sociologia e filosofia, e áreas artísticas como música, teatro e cinema. Tudo isso com os preços acessíveis que consagram a fama dos sebos, principalmente diante da escassez de bibliotecas e em tempos de megastores fechando as portas.

Mapa tinha 26 anos quando decidiu deixar a capital paulista para viver no Recife. Após cinco anos, voltou para a terra natal com o objetivo de cursar Letras na Universidade de São Paulo. “Não gostei do curso, nem da universidade, mas gostei da perspectiva de trabalhar com os livros. Comecei a vendê-los em ruas da USP por uma questão de necessidade. Depois, formalizei a prática abrindo um sebo no bairro da Vila Mariana, onde passei cinco anos e me aperfeiçoei na prática”, diz o livreiro, que se considera “autonaturalizado” pernambucano.

Em 2005, casado e com um filho, Mapa voltou para a capital pernambucana. Abrir um sebo “de bairro” no Recife parecia ser a melhor atitude a tomar na época. “Eu queria sair do Centro, que é onde acontece o comércio tradicional de livros no Recife. Não existem muitos sebos em bairros mais habitacionais, até pouco tempo acredito que eu era o único. Dentro da minha perspectiva de sobrevivência, isso daria um certo retorno financeiro”, diz o proprietário, que também é o único funcionário do local.

Sebo da Torre fica localizado na Rua José Bonifácio. Foto: Leo Malafaia/Esp. DP
Sebo da Torre fica localizado na Rua José Bonifácio. Foto: Leo Malafaia/Esp. DP


Para montar o acervo, Amauri Mapa compra os livros usados, mas não recusa doações - exceto de publicações de exatas, escolares ou de direito. O Sebo da Torre é um dos associados ao famoso site Estante Virtual. “Eu já tinha conhecido o idealizador do site em São Paulo. Precisava dessa plataforma na internet, já que eu sabia que estava em um bairro com menos movimento”, explica.

Embora não esteja no Centro e nem tenha estacionamento, o local costuma receber pessoas de múltiplas localidades, até mesmo do interior. “O cliente do sebo se vira, mas consegue”, diz Mapa. “Tem os que entram procurando algo específico, como os pesquisadores, mas quem gosta mesmo de sebo vive dentro dele e encontra os livros chegando no local certo, na hora certa. Sebo é isso: são achados. Aquilo que tem na hora, disponível. É pegar ou largar. Existem pessoas que conhecem a vida a partir do sebo e das livrarias. É uma referência.”

Com o tempo de atuação na capital, Amauri também conseguiu constatar que Pernambuco é um lugar de muitos leitores intelectualizados. “Vendo muitos livros de literatura e nesses campos de autores mais consagrados. Por exemplo, um autor que sempre vendo muito no Recife é o Gabriel García Márquez. Desde que cheguei aqui, percebi esse apreço pela literatura e um nível de leitura superior ao paulistano médio. Lá em São Paulo, as pessoas parecem estar mais voltadas aos livros de autoajuda e relacionados ao trabalho.”

Literatura e ciências humanas são os enfoques do local. Foto: Leo Malafaia/Esp. DP
Literatura e ciências humanas são os enfoques do local. Foto: Leo Malafaia/Esp. DP


Outro perfil de cliente é aquele que entra no espaço em busca de antiguidades, edições mais raras ou artefatos inesperados. “As pessoas ficam procurando essas coisas meio mágicas, ficam felizes ao encontrar livros que trazem nostalgia e lembranças. Em qualquer área do conhecimento isso acontece. Às vezes são perdidos, editados com poucos números. É o desejo de aquela coisinha que traz nostalgia junto.”

Para Mapa, o ofício é prazer. “Dá trabalho, mas é agradável, sim. O livro é muito respeitado. O Recife me acolheu afetivamente e eu tento devolver um pouco disso com essa ocupação, através desse material afetivo: o livro.”



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.