Dança Ballet Stagium apresenta no Recife espetáculo inédito no Nordeste Montagem Figuras e Vozes aborda o estado de espírito dadaísta

Por: Caio Ponciano

Publicado em: 26/09/2018 09:39 Atualizado em:

Apresentações serão realizadas na Caixa Cultural Recife. Foto: Arnaldo J. G. Torres/Divulgação
Apresentações serão realizadas na Caixa Cultural Recife. Foto: Arnaldo J. G. Torres/Divulgação

Há cinco anos longe dos palcos pernambucanos, a companhia de dança contemporânea Ballet Stagium, de São Paulo, aporta no Recife para quatro sessões do espetáculo Figuras e vozes. As apresentações serão realizadas de hoje (26) a sábado (29), sempre às 20h, no teatro da Caixa Cultural (Av. Alfredo Lisboa, 505, Praça do Marco Zero, Bairro do Recife). Os ingressos estão sendo vendidos na bilheteria do local por R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada). Para este espetáculo, a companhia comandada por Marika Gidali e Décio Otero decidiu apostar no estado de espírito dadaísta, abordando o aleatório e o acaso como contraponto ao mundo institucionalizado e movido pela agilidade das informações.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o dadaísmo surgiu com a clara intenção de destruir todos os sistemas e códigos estabelecidos no mundo. Para Marika, Figuras e vozes pode ser considerado atual devido a semelhança com o momento político e social em que vivemos.

“Fizemos uma pesquisa profunda e os nossos 15 bailarinos tiveram aulas para construir um diálogo com a direção. No palco, quando entra a parte teatral, há uma coreografia bastante sincronizada e, ao mesmo tempo, com muita liberdade de ação”, destaca a diretora. “O espetáculo é irreverente, assim como o dadaísmo, que propôs uma forma quase infantil de demonstrar a insatisfação do momento. Posso dizer que a nossa situação atual nos leva a essa forma de pensar”, continua.

A coreografia da montagem dialoga com o público de maneira simples e emocional, na qual cada bailarino dança de acordo com sua própria cultura. “A gente preparou os bailarinos através do balé clássico e com uma coreografia contemporânea, que é feita de cabeça para baixo. Não é tão fácil descrever, tem que assistir para entender a mensagem. Posso dizer que a gente conseguiu fazer um tipo de coreografia bem diferente, onde as figuras e vozes interferem durante toda a narrativa”, adianta.

A última apresentação do grupo no Recife foi durante a Mostra Brasileira de Dança em 2013. Essa é a primeira vez que a obra Figuras e vozes, criada em 2015, chega ao Nordeste. “Eu adoro o Recife. Se eu não morasse em São Paulo, certamente seria aqui o meu lugar. Estamos todos muito empolgados para mostrar esse espetáculo para os recifenses”, comenta Marika. A coreografia e o roteiro musical da montagem são de Décio Otero, enquanto a direção artística ficou por conta de Márcio Tadeu.

Com 47 anos de estrada, a Ballet Stagium é a companhia de dança contemporânea mais antiga em atuação no Brasil e foi a primeira do país a explorar a música popular brasileira nas trilhas sonoras dos espetáculos. Na montagem O canto da minha terra, inspirada na vida e obra de Ary Barroso, por exemplo, o grupo conseguiu aproximar crianças a importantes compositores do Brasil. “A gente perguntava quem era Ary Barroso e os pequenos não conheciam, já quando eram questionados sobre a música Aquarela do Brasil, todos levantavam a mão”, relembra a diretora.

Serviço
Ballet Stagium - Figuras e vozes
Quando: de hoje a sábado, às 20h
Onde: Caixa Cultural Recife (Av. Alfredo Lisboa, 505, Praça do Marco Zero, Bairro do Recife)
Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)
Informações: (81) 3425-1915


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.