Eleições Claudia Raia, Marquezine, Sasha, Deborah Secco e outras atrizes aderem à campanha de repúdio 'Ele Não' Artistas se posicionaram contra candidato à presidência apontado como homofóbico, misógino, racista e intolerante

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 18/09/2018 12:21 Atualizado em:

Artistas se posicionam contra candidato e aderem à campanha nas redes sociais. Foto: Reprodução/Instagram
Artistas se posicionam contra candidato e aderem à campanha nas redes sociais. Foto: Reprodução/Instagram

Há três semanas das eleições presidenciais, marcada para o dia 7 de outubro, atrizes, apresentadoras, cantoras e celebridades entraram na campanha que viralizou contra Jair Bolsonaro nas redes sociais. Nomes como Deborah Secco, Maria Ribeiro, Claudia Raia, Letícia Colín, Sasha, Júlia Lemmertz, Drica Moraes, Fernanda Paes Leme, Alice Weg, Camila Pitanga, Patrícia Pilar, Daniela Mercury e Astrid Fontenelle compartilharam publicações com as frases #EleNão #EleNunca, em repúdio ao candidato do PSL à presidência. Elas se posicionam contrárias ao candidato à presidência apontado como homofóbico, misógino, racista e intolerante. 

A atriz Cláudia Raia criou uma arte e aderiu à campanha: "Não à violência, não ao machismo, não ao preconceito, não à homofobia, não à intolerância, não à xenofobia e não para toda forma de pensamento que pregue o retrocesso de nossos direitos". Já Deborah Secco, que está no ar na novela Segundo Sol, também se posicionou sobre a escolha do candidato para a corrida eleitoral. "#EleNao não tem a ver com política (só). Tem a ver com moral. Com a liberdade e a dignidade de “ser” e de pensar, que eu espero que a minha filha tenha. E os filhos de todos vocês tenham também. É por isso que #EleNão", disse no Twitter. 

A atriz Alice Wegmann, publicou longo texto pedindo a reflexão de seus seguidores. Em um trecho, ela cita uma das propostas do candidato, que inclui a liberação do porte de armas. "Não sou a favor do porte de armas. acho que ainda temos que aprender muitas outras coisas antes de aprendermos a manusear uma destas. a cultura da violência não deve ser vangloriada, como vem fazendo esse candidato – através, inclusive, de gestos de armas com as mãos até quando está internado no hospital. qualquer briga de bar ou trânsito daria em morte. a taxa de feminicídio aumentaria. mais crianças morreriam. pra violência morar dentro da sua própria casa, ela teria praticamente passagem livre."

A jornalista Rachel Sheherazade, conhecida por posicionamentos conservadores, como a pena de morte, também se mostrou contrária a um discurso recente do vice-candidato da chapa de Bolsonaro, o general Mourão, que afirmou que 'casas só com mãe e avó são fábricas de desajustados para narcotráfico'. "Sou mulher. Crio dois filhos sozinha. Fui criada por minha mãe e minha avó. Não. Não somos criminosas. Somos HEROÍNAS! #elenao", disse a âncora no Twitter.

Confira as postagens:






Visualizar esta foto no Instagram.

oi. caso você seja eleitor do candidato da foto, antes de vir aqui me insultar, por favor, leia o que tenho a dizer. a democracia existe e a liberdade de expressão também. se você, hoje, é a favor de poder emitir opiniões sobre suas preferências políticas e sociais, lembre-se: na ditadura (que seu candidato apoia veemente), isso não seria possível. portanto, falemos abertamente sobre nossas preferências enquanto é tempo. minha discordância com os eleitores desse candidato não diz respeito apenas às situações políticas e partidárias, mas principalmente morais. eu sou a favor de um mundo mais livre, justo, igualitário. sou a favor de um país onde toda a população tenha acesso a alfabetização, a escola, saúde pública e outros direitos básicos. não sou a favor do porte de armas. acho que ainda temos que aprender muitas outras coisas antes de aprendermos a manusear uma destas. a cultura da violência não deve ser vangloriada, como vem fazendo esse candidato - através, inclusive, de gestos de armas com as mãos até quando está internado no hospital. qualquer briga de bar ou trânsito daria em morte. a taxa de feminicídio aumentaria. mais crianças morreriam. pra violência morar dentro da sua própria casa, ela teria praticamente passagem livre. eu não sou a favor de um candidato que diz que %u201Cdeu uma fraquejada%u201D quando teve a quarta filha nascida mulher. senhor, eu sou mulher e sou forte pra caramba. e eu não devo ganhar um salário mais baixo que o dos homens só porque sou capaz de parir uma criança. eu não acho que %u201Cter filho gay é falta de porrada%u201D. tampouco diria, na vida, como esse candidato disse, que %u201Cprefiro que um filho meu morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí%u201D. eu vou AMAR meu filho com todo amor que houver no meu coração, e farei de tudo para que ele seja feliz, independente de gênero ou sexualidade. eu sou uma otimista. e sonhadora, também. penso num mundo com menos preconceito, menos intolerância, mais diversidade, mais liberdade para cada um poder ser o que quiser. penso num mundo com menos ódio ao outro. eu respeito e admiro as diferenças. e não voto num candidato que luta para limitá-las. #ELENÃO

Uma publicação compartilhada por Alice Wegmann (@alice.weg) em


Visualizar esta foto no Instagram.

#elenao #elenunca

Uma publicação compartilhada por Drica Moraes (@oficialdricamoraes) em



Visualizar esta foto no Instagram.

#EleNão #EleNunca

Uma publicação compartilhada por Leticia Colin (@leticiacolin) em


Visualizar esta foto no Instagram.

Ele nunca !

Uma publicação compartilhada por Camila Pitanga (@caiapitanga) em



Visualizar esta foto no Instagram.

#elenao

Uma publicação compartilhada por Fernanda Paes Leme (@fepaesleme) em


Visualizar esta foto no Instagram.

#elenao

Uma publicação compartilhada por Patricia Pillar (@patriciapillar) em



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.