Música Em show no Recife, Alcione destaca o protagonismo da mulher e seu encontro com Cármem Lúcia Em tom intimista, a apresentação contou com temas importantes e homenagem a Emílio Santiago

Por: Thays Martins - Diario de Pernambuco

Publicado em: 25/08/2018 11:48 Atualizado em: 25/08/2018 14:19

Foto: Thays Martins/Esp. DP
Foto: Thays Martins/Esp. DP

Nesta sexta-feira (24) ocorreu o show da cantora Alcione no Manhattan Café Theatro. A apresentação faz parte da turnê Eu sou a Marrom, que marca as comemorações pelos 45 anos de carreira e 70 de idade da maranhense que, recentemente, foi premiada no Prêmio da Música Brasileira 2018 como Melhor Cantora por Bolero.

Em tom intimista, Alcione abriu o show com a música que nomeia a turnê, com uma presença de palco e interações contagiando o público. A Marrom destacou que já foi questionada do por quê vir tanto a Pernambuco e foi categórica: "Já me perguntaram se eu tinha algum caso aqui no Recife, mas a verdade é que eu venho muito aqui porque o povo me quer. Me sinto bem".

No intervalo entre uma música e outra, a artista relembrou o episódio recente, em que é registrada em vídeo com a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, e com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge cantando Não deixe o samba morrer. "Me enviaram um áudio da ministra cantando um pedacinho da minha música. Já vi que não iria dar certo (risos). Quando nos encontramos no elevador, a ministra puxou Antes de eu me despedir, não consegui prender e soltei 'vai Cármem Lúcia', coisa de cantor mesmo", contou Alcione ao público do show. 

Em outro momento, a maranhense citou novamente o encontro em que estava com diversas mulheres públicas para discutir o protagonismo da mulher na sociedade, através do seminário Elas por elas, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em Brasília, cujo tema era Mulher no Poder Estatal e na Sociedade. "No evento, foi falado o quanto o samba é um ambiente machista, como Dandara, mulher de Zumbi, foi uma protagonista da libertação dos escravos. Então, obrigada a vocês que valorizam o que é ser mulher no país em que vivemos hoje", ressaltou.

Já próximo ao final do show, a Marrom relembrou seu amigo e companheiro de palco Emílio Santiago. "Hoje, pensei muito em Emílio, mas Deus sabe de tudo". Após a declaração, a cantora entoou Flamboyant, seguida de Saigon. A apresentação seguiu em tons de sambas clássicos cantados e dançados pelo público presente, em um clima agradável e intimista.

Neste sábado (25), Alcione tem show marcado no bem-sucedido projeto Sambinha da Lapa, no Catamaran (Cais Santa Rita, s/n, - São José, Recife). A noite terá ainda show do Grupo Terra, Samba Chic e Grupo TS. Os ingressos custam R$ 60 e estão à venda nas lojas Figueiras Calçados e online através do aplicativo Bilheteria Digital.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.