Luto Jornalistas e intelectuais lamentam morte de Otavio Frias Filho e destacam legado Diretor de redação da Folha de S.Paulo faleceu por complicações de um câncer de pâncreas, na madrugada desta terça-feira

Por: AE

Publicado em: 21/08/2018 16:21 Atualizado em:

Frias Filho vinha se tratando desde setembro do ano passado, quando descobriu a doença. Foto: SP Escola de Teatro/Facebook/Reprodução
Frias Filho vinha se tratando desde setembro do ano passado, quando descobriu a doença. Foto: SP Escola de Teatro/Facebook/Reprodução


Intelectuais, jornalistas e políticos compareceram ao velório do diretor de redação da Folha de S.Paulo, Otavio Frias Filho, no final da manhã desta terça-feira (21). Eles lamentaram a morte do jornalista, responsável por consolidar o "Projeto Folha", conjunto de medidas editoriais considerado como um dos marcos da imprensa brasileira, e exaltaram que seu legado permanecerá.

O velório começou às 11h30 no Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, em São Paulo, e durou pouco menos de duas horas. A cerimônia foi encerrada com um breve discurso do jornalista e colunista da Folha Clovis Rossi, por volta das 13h15, quando a capela cheia aplaudiu longamente o jornalista, ao som das músicas do REM, "Losing my religion" e "Man on the Moon".

"Gostaria de ter o tido o talento que ele teve para criar um projeto de jornalismo crítico, apartidário e independente. Esse tipo de projeto é ainda mais necessário hoje diante das fake news", disse Rossi, afirmando que seria breve, em tom de brincadeira, caso contrário Frias se levantaria do caixão para demiti-lo, já que não gostava de mais delongas.

Frias Filho morreu de câncer de pâncreas, aos 61 anos, na madrugada desta terça feira. Após o velório, seu corpo foi cremado por volta das 14h. "O Brasil perdeu um grande brasileiro um intelectual extraordinário e um jornalista revolucionário", resumiu o ex-ministro da Fazenda Delfim Netto.

Estiveram presentes também os candidatos à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) e sua vice, Kátia Abreu (PDT), e Henrique Meirelles (MDB). Vice na chapa de Marina Silva (Rede), Eduardo Jorge (PV) representou a candidata no velório. O presidenciável pedetista lamentou a perda, com quem tinha "relação fraterna, respeitosa e, diria, amistosa há mais de 20 anos". Já o emedebista ressaltou que Frias "foi de fato um ícone para a imprensa, alguém que representou muito pela liberdade de opinião, independência nas suas escritas e por manter forte e viva a sua trajetória".

Colunista da Folha há 19 anos, Juca Kfouri disse que o grande legado que Frias Filho deixa é o de nunca ter sugerido nada aos seus jornalistas e ter prezado pela independência. "E que sempre fez questão de defendê-los judicialmente. Não fosse a assistência jurídica da Folha eu já tinha quebrado há muitos anos", brincou.

Diretores de jornais e veículos de imprensa brasileira prestaram sua homenagem ao idealizador do "Projeto Folha", que estabeleceu por exemplo, a figura do ombudsman e o painel do leitor. O editor-executivo da Folha, Sérgio D’Ávila, lembrou do que chamou de "obsessão" de Frias em contemplar todos os lados da história e garantir que acusados pudessem se manifestar em matérias críticas. "Trazer o aspecto mais plural das tendências e das ideias para o campo do jornalismo. Uma pessoa obsessiva pelo contraditório, com os outros lados que cada história enseja", disse.

Já o diretor de jornalismo da Band, Fernando Mitre, lembrou da atuação de Frias durante as Diretas Já, que foi pioneiro na campanha nos anos 1980. "Ele era fundamental. Em alguns momentos isso ficou muito claro. Chamo atenção especial para a campanha das Diretas, que foi fundamental e foi comandada diretamente por ele", afirmou Mitre.

Governador de São Paulo e candidato à reeleição, Márcio França (PSB) disse que Frias Filho morre apenas fisicamente. "A história, a vida, o legado continuam, à medida que você lê um jornal, vai de novo lembrar lá a história e a luta que travou".

Também compareceram ao velário jornalistas como Elio Gaspari, Mário Sérgio Conti, Vera Magalhães, Renata Lo Prete, entre outros. Do mundo político, marcaram presença também o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), o vereador Eduardo Suplicy (PT) e o secretário de segurança pública de São Paulo, Magino Alves. Emocionada, a senadora Marta Suplicy (MDB) lamentou a morte do colega de luta estudantil. "Era uma pessoa que tinha autoridade, ousadia e coragem muito grandes que, nesse momento, num Brasil conturbado, vão fazer falta."

Cinema
Em Gramado, a diretora Daniela Thomas decidiu cancelar a primeira exibição pública de seu filme "O Banquete", que aconteceria na quarta-feira, 22, no Festival de Cinema. O roteiro do longa é inspirado em eventos recentes da história do País, entre eles uma carta aberta como a publicada por Otavio Frias Filho, nos anos 1990, dirigida ao presidente do Brasil. "Sinto muito pela perda de Otávio e me solidarizo com a família, com seus amigos e funcionários. Foi um grande publisher, um intelectual admirável e tinha muito ainda a contribuir com o País", afirma Daniela. "O momento é inoportuno para o encontro de ficção e realidade e as possíveis interpretações equivocadas que a ficção pode suscitar. Por isso retiro o filme do festival."

Repercussão
Em nota, a Associação Nacional de Jornais (ANJ) lamentou a morte do jornalista Otavio Frias Filho. A entidade lembrou que Frias foi responsável por deixar "profundas marcas na história da imprensa brasileira". "O papel fundamental do jornalismo na democracia, sobretudo em um País como o nosso, onde a tentação do autoritarismo está sempre tão presente, marcou o pensamento e a ação de Otávio Frias Filho. Ele sonhava com um País moderno, justo e civilizado, e enxergava no jornalismo sério e responsável uma ferramenta indispensável para a construção desse sonho", afirmou a entidade.

Temer
O presidente da República, Michel Temer, lamentou a morte "prematura" do jornalista e escreveu nas redes sociais que, sob a direção de Otavio, "a Folha tornou-se palco dos grandes debates intelectuais do país, com pluralismo e diversidade de opiniões".

Governo de SP
O governador de São Paulo, Marcio França (PSB), disse, em nota, que Frias deixa seu nome gravado na história da imprensa e comentou que, sob sua influência, a Folha se tornou um dos mais influentes diários do Hemisfério Sul. "O arrojo e o brilho intelectual marcaram a atuação profissional de Otavio Frias Filho. São Paulo e o Brasil estavam no centro de suas preocupações." 

Prefeitura
A Prefeitura de São Paulo, também em nota, se solidarizou com a família e amigos do jornalista. O texto destaca que Frias foi um dos responsáveis pela modernização do jornalismo nacional a partir dos 1980. "À frente do jornal, formou gerações de jornalistas e comunicadores. Otavio Frias Filho era um paulistano. Prestou grande serviço a São Paulo."

OAB
A Ordem dos Advogados do Brasil destacou o fato de Otavio ter dado espaço ao contraditório e ao debate de ideias divergentes. A entidade destacou também a importância da visão crítica sobre fatos relevantes do Brasil e do mundo. "Sem uma imprensa ativa e crítica, a democracia jamais poderá existir em sua plenitude. Lembraremos sempre da dedicação e empenho de Otavio Frias Filho ao jornalismo e à democracia por meio das páginas, impressas e virtuais, da Folha de S.Paulo."

Presidenciáveis lamentam morte de Otavio Frias Filho
Candidatos à Presidência da República lamentaram a morte de Otavio Frias Filho, diretor de Redação do jornal Folha de S.Paulo. Entre os candidatos à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB) disse, em nota, que Otavio era um intelectual inquieto e refinado, que deixa um legado que vai além do jornal de cada dia. "Ao longo de 34 anos no comando editorial da Folha, buscou incessantemente fazer um jornalismo crítico, preciso, plural, perseguindo cotidianamente a excelência", disse. "Cala fundo a morte prematura de um homem com tanto talento e tantos serviços prestados ao Brasil", afirmou Alckmin. 

Marina Silva, candidata da Rede ao Planalto, disse que o compromisso com a pluralidade e a democracia marcaram a trajetória de Frias Filho. "Nestes tempos de ameaça à normalidade democrática brasileira, a falta de Otavio será especialmente sentida. Que Deus console e dê sustentação à família, aos amigos e aos colegas de trabalho", afirmou.

Candidato do Podemos, Alvaro Dias disse que Otavio deixa um legado de "lealdade aos fatos". "Com seus textos sempre brilhantes e ponderados, e sua voz de comando a favor da verdade e da democracia, Otávio Frias traçou o caminho da imprensa livre acima de qualquer obstáculo. A conduta séria e combativa de Otávio Frias servirá de exemplo para muitas gerações de repórteres."

João Amoêdo, do Novo, disse que Frias foi um dos jornalistas e intelectuais mais capacitados do Brasil. "Sua perda vai ser sentida e lamentada, mas sua obra estará sempre viva para inspirar os defensores da democracia, da liberdade de expressão e da tolerância."

O candidato Henrique Meirelles (MDB) afirmou que o Brasil perde um dos grandes ícones do jornalismo. "Sua dedicação e seriedade foram fundamentais para a construção de uma democracia sólida, de respeito às instituições e liberdade de imprensa."


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.