Cinema Cine Ceará: Documentário investiga últimos meses de vida de Che Guevara Che: Memórias de um Ano Secreto refaz os passos do revolucionário após a saída de Cuba, em 1965

Por: Breno Pessoa

Publicado em: 10/08/2018 13:50 Atualizado em: 10/08/2018 13:51

Temporada fora de Cuba é o foco das atenções do documentário. Crédito: Cine Ceará/Divulgação
Temporada fora de Cuba é o foco das atenções do documentário. Crédito: Cine Ceará/Divulgação

Fortaleza - No auge de sua popularidade e ocupando um papel fundamental no governo de Cuba, Ernesto Che Guevara fez um momento inesperado: deixou o Estado cubano e foi levar os ideais revolucionários para outros países: Congo e Bolívia, este último o local onde foi capturado e morto. Embora a passagem por esses dois territórios sejam bastante conhecidas, o revolucionário teve um outro destino, menos conhecido, a República Tcheca, onde viveu disfarçado durante meses, antes de viajar para a América Latina, em 1956. Esse período é o alvo da investigação do documentário Che: Memórias de um ano secreto, de Margarita Hernández, exibido durante o Cine Ceará.

Passado o conflito armado na Revolução Cubana e destituição do ditador Fulgêncio Batista, em janeiro de 1959, o país ainda estava em fase de reorganização quando Guevara decidiu expandir o movimento para fora da ilha. Em 1965, Guevara embarcou para o Congo, com o desejo de liderar grupos que se rebelavam contra o poder vigente no país africano. Detalhes dessa e outras empreitadas são contados pelo biógrafo do guerrilheiro, Jon Lee Anderson, e relembrados com agentes do serviço de inteligência cubano diretamente envolvidos. 

 

Fracassada a ação no Congo, e encontrando resistências para retornar à Cuba - Fidel teria se desagradado com o fato de seu braço direito deixar o Ministério da Indústria e outros cargos oficiais para ir à África - Che Guevara partiu para Europa, onde ficou escondido por meses. Visado internacionalmente, o guerrilheiro recebeu um disfarce para que conseguisse circular sem o risco de ser reconhecido. Retirada da barba, prótese dentária e um estofo que fazia as vezes de corcunda eram os principais elementos da nova identidade assumida no período em que viveu nos arredores de Praga. 

Passaporte com fotos de Che Guevara sob disfarce. Crédito: Cine Ceará/Divulgação
Passaporte com fotos de Che Guevara sob disfarce. Crédito: Cine Ceará/Divulgação

Curiosidades desse período e até passagens engraçadas são lembradas por companheiros que estiveram abrigados com Guevara nesse período longe de Cuba. Em um dos trechos, um conhecido diz ter levado um vinil dos Beatles para a residência de Guevara. O líder revolucionário teria desaprovado, no primeiro momento, o som produzido pelo quarteto de Liverpool, mas depois chegou a pedir para tocar "o disco daqueles imperialistas". 

Che: Memórias de um ano secreto é um documentário bastante linear e convencional, aspectos que, em sua proposta, não devem ser encarados com negativos. A simplicidade na forma e certo didatismo na narrativa são contrabalanceados pela riqueza de informações, fatos, documentos e imagens raras, além de reconstituições. É um trabalho de pesquisa competente e interessante conteúdo. 

Cine Ceará -
Em sua 25º ano, o festival é realizado em Fortaleza, entre os dias 4 e 11 de agosto. Janela não só para produções nacionais mas para filmes falados em espanhol, o Cine Ceará - Festival Ibero-americano de Cinema, exibe, nesta edição, obras do Brasil, da Espanha, do Chile, da Colômbia e uma coprodução Brasil, Portugal e França. Entre dos destaques da seleção de títulos de 2018, as estreias mundiais de Eduardo Galeano Vagamundo, de Felipe Nepomuceno, e Anjos de Ipanema, de Conceição Senna, além da estreia nacional de O barco, de Petrus Cariry. 

*O repórter viajou a convite da organização do Cine Ceará



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.