Artes cênicas Dramaturgo pernambucano Antônio Cadengue morre aos 64 anos Reconhecido nacionalmente, o artista valorizou grupos minoritários e foi especialista sobre o Teatro de Amadores de Pernambuco

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 01/08/2018 11:31 Atualizado em: 01/08/2018 17:28

Cadengue nasceu em Lajedo, no interior do estado. Foto: Paulo Paiva/DP
Cadengue nasceu em Lajedo, no interior do estado. Foto: Paulo Paiva/DP

O dramaturgo, escritor e professor pernambucano Antônio Edson Cadengue faleceu na madrugada desta quarta-feira (1º), aos 64 anos. Ele deu entrada no Hospital Hapvida após uma queda, mas a causa oficial da morte ainda não foi divulgada.

A nota de falecimento foi publicada pelo ex-aluno e amigo do artista, o professor universitário Igor de Almeida Silva: "Meu coração está partido. A dor que sinto não cabe em palavras". O velório do encenador ocorrerá nesta quinta-feira (2), a partir das 8h, no Teatro Valdemar de Oliveira, localizado no bairro da Boa Vista.

Carreira
Cadengue nasceu em Lajedo, no interior do estado. Ainda estudante de psicologia na Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (Facho), em 1975, passou a ser encenador em troca de uma bolsa de estudo. Na época, dirigiu montagens para um grupo vinculado à faculdade. Com o passar do tempo porém, passou a acompanhar tudo que era produzido na cena recifense e buscou informações, por meio de leitura, sobre teoria teatral e literatura dramática.

Nos anos 1980, dirigiu uma adaptação da ópera O Guarani, de Carlos Gomes, para o Quinteto Violado. O espetáculo teve apresentações em países como Alemanha e Áustria. Em 1990, quando ficou à frente da Companhia Teatro de Seraphim, também começou a dar atenção a grupos minoritários sobretudo os discriminados por questão de raça, religião, doença mental e orientação sexual.

Em sua trajetória, se tornou especialista em obras de Nelson Rodrigues, criando adaptações de obras como Toda Nudez Será Castigada, Senhora dos Afogados, Viúva, Porém Honesta e Doroteia. Em 2001, assumiu a direção do Teatro de Santa Isabel.

Uma de suas contribuições para às artes cênicas brasileiras foi a tese de doutorado sobre Teatro de Amadores de Pernambuco (TAP). Neste ano, lançou o livro Reinaldo de Oliveira: Do Bisturi ao Palco, uma biografia sobre o diretor do TAP, ator e teatrólogo Reinaldo de Oliveira.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.