Música Sucesso no Nordeste, brega-funk invade o Brasil e faz a cabeça do público Hits de nomes como Aldair Playboy e MC Loma e as Gêmeas Lacração demonstram o avanço do movimento

Por: Uai - Estado de Minas

Por: Estado de Minas

Publicado em: 30/07/2018 14:09 Atualizado em: 30/07/2018 14:25

Artistas pernambucanos como Mc Loma e as Gêmeas Lacração e o cantor mirim Mc Bruninho também ganharam espaço no cenário musical nacional. Fotos: Reprodução/Instagram
Artistas pernambucanos como Mc Loma e as Gêmeas Lacração e o cantor mirim Mc Bruninho também ganharam espaço no cenário musical nacional. Fotos: Reprodução/Instagram

Pode parecer cedo, mas já é possível decretar que 2018 é o ano em que o movimento brega-funk ultrapassou as barreiras territoriais do Nordeste e ganhou o Brasil. Quer um exemplo? É possível dar pelo menos três: MC Loma e as Gêmeas Lacração, que tiveram o hit do carnaval, a música Envolvimento; e Aldair Playboy e MC Bruninho, que se tornaram os donos das músicas mais executadas no Brasil nos últimos meses com as faixas Amor falso e Jogo do amor, respectivamente.

A internet foi um dos principais facilitadores dessa “invasão do brega” nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul. “A web ajudou muito em tudo isso. Não existem mais limites, a música chega muito mais rápido”, diz Aldair Playboy. Mas a disseminação na internet não foi a única responsável: o apoio e a parceria com artistas de outros estilos também foram fundamentais. MC Loma e as Gêmeas Lacração ganharam força, principalmente, com a ajuda de estrelas como Anitta e o produtor KondZilla – os dois apoiaram o hit Envolvimento no carnaval.

Desde o estouro da música, o trio tem se unido a diversos outros artistas para se manter no topo. Entre os nomes que trabalharam com as cantoras estão Aretuza Lovi e Pankadon (Pac pac), MC Gui (No talentinho), Jerry Smith (Não se apaixona) e MC WM (Paralisa).

Essa também foi uma estratégia adotada por Aldair Playboy, o cara do momento do brega-funk por conta da faixa Amor falso, que tem o refrão chiclete: “E parabéns pra você/ Que me fez entender/ Que minha paixão não é você/ Obrigado por demonstrar esse amor falso”. 

O paraibano Aldair Playboy emplacou o hit Amor falso, regravado em parceria com Wesley Safadão e Kevinho. Foto: Som Livre/Divulgação
O paraibano Aldair Playboy emplacou o hit Amor falso, regravado em parceria com Wesley Safadão e Kevinho. Foto: Som Livre/Divulgação

Ele gravou uma nova versão em parceria com Wesley Safadão e Kevinho, que tem 144 milhões de visualizações no YouTube até agora. “Confesso que foi uma grande surpresa. Do dia pra noite, a música estourou e minha vida mudou completamente. Estou vivendo um grande sonho”, afirma.

Paraibano, Aldair é o grande artista atual do brega-funk. Porém, a carreira do cantor começou há bastante tempo, quando ainda integrava a banda Swing dos Playboys. Na época, ele tinha que se dividir entre o mundo da música e outros trabalhos. “Amor falso mudou tudo! Minha música ficou conhecida no Brasil inteiro e no mundo também. A agenda de shows está bem agitada. Agora o foco é na música de trabalho, Ainda te amo, mas tô indo embora”, revela. A faixa segue a fórmula que ele define como “batidão romântico”.

O caminho tem sido parecido para o cantor pernambucano MC Bruninho, que depois de postar Jogo do amor na internet viu a vida mudar e ganhou projeção nacional. O jovem de apenas 11 anos faz parte da lista dos artistas do brega-funk, como MC Tocha, Dadá Boladão e MC Troinha, que, em parcerias com KondZilla, têm conseguido destaque fora de Pernambuco, estado natal deles e também do brega-funk.

Como o próprio nome indica, o brega-funk nasceu da mistura de dois ritmos: o brega, também visto como o gênero romântico nordestino, com a batida funkeira que surgiu nas periferias do Rio de Janeiro e de São Paulo. Apesar de ter ganho notoriedade nacional agora, o estilo data dos anos 1980, quando deu origem a bailes e aos artistas pioneiros.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.