Seriado Sexta temporada de Orange is the new black estreia na Netflix Com a ampliação do escopo da trama, personagens antes secundárias ganham cada vez mais destaque

Por: Uai - Estado de Minas

Publicado em: 27/07/2018 13:54 Atualizado em: 27/07/2018 14:02

A trama é baseada no livro autobiográfico de Piper Kerman. Foto: Netflix/Divulgação
A trama é baseada no livro autobiográfico de Piper Kerman. Foto: Netflix/Divulgação

Os Estados Unidos é o país com a maior população carcerária do mundo. E as prisões americanas são o ponto de partida (ou de chegada) para inúmeros seriados, filmes e programas de TV. Em Orange is the new black, série original da Netflix, o presídio feminino de segurança mínima Litchfield tem sido utilizado como pano de fundo para discutir o uso de drogas, a violência e os abusos físicos e psicológicos a que são submetidas as internas.

A sexta temporada da série criada por Jenji Kohan estreia nesta sexta (27) na plataforma de streaming e se distancia do quadro retratado na temporada de estreia, quando a jovem de classe média Piper Chapman (Taylor Schilling) se entrega voluntariamente à Justiça para cumprir sua pena. A trama é baseada no livro autobiográfico de Piper Kerman, que detalha sua experiência na prisão, depois de uma condenação por lavagem de dinheiro. Um dos primeiros grandes sucessos da Netflix, a história se desdobrou para incorporar outras questões além das experiências vividas por Piper em seus 13 meses de detenção.

Com a ampliação do escopo da trama, personagens antes secundárias ganham cada vez mais destaque, com enredos intrigantes que chegam a ofuscar a história da protagonista. A tensão racial que se instalou a partir da quarta temporada, devido à superlotação da cadeia, e o resultado dela – evidenciado na rebelião estendida pelos capítulos da quinta – deram um rumo mais pesado e sombrio a OITNB.

Foi essa virada que permitiu que atrizes como Danielle Brooks (Tasha ‘Taystee’ Jefferson), Adrienne C. Moore (Cindy Hayes), Uzo Aduba (vencedora de dois Emmys pelo desempenho como Suzanne ‘Crazy Eyes’ Warren), Dascha Polanco (Dayanara Diaz), Diane Guerrero (Maritza Ramos) e Jessica Pimentel (Maria Ruiz) se sobressaíssem na trama.

Outro destaque é a evolução de Tiffany ‘Pennsatucky’ Doggett, interpretada por Taryn Manning. Inicialmente uma usuária de drogas agressiva e fanática religiosa, ela atravessa uma crise de fé, sofre uma mudança radical na atitude e, mais recentemente, é estuprada por um guarda. A percepção tardia da natureza violenta do ato, primeiramente embaçada pela crença de que havia amor entre eles, ecoa uma discussão atualíssima em tempos de #MeToo.

Os novos episódios que a Netflix lança hoje enfocam as consequências dos três dias de rebelião, a partir da transferência das detentas para outras instituições. O desafio é manter o ritmo da narrativa em cenários diferentes, enquanto surgem novos personagens.
 
Confira o trailer da nova leva de episódios de Orange is the new black: 





Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.