Solidariedade Dançarina Dani Costa realiza bazar beneficente no Recife O evento acontece neste sábado, na Arena Show Bar e tem como objetivo ajudar instituições carentes

Por: Mabson Rodrigues - Diario de Pernambuco

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 19/07/2018 18:25 Atualizado em: 19/07/2018 18:51

A pernambucana é uma das dançarinas de maior destaque em Pernambuco e no meio digital. Foto: Reprodução/Instagram
A pernambucana é uma das dançarinas de maior destaque em Pernambuco e no meio digital. Foto: Reprodução/Instagram

Considerada uma das dançarinas de maior destaque no estado de Pernambuco e no meio digital, a bailarina Dani Costa realiza no próximo sábado (21), o Bazar Moda do Bem. O evento vai acontecer na Arena Show Bar, no Porto da Madeira, a partir das 14h e tem como objetivo principal ajudar instituições carentes. 

De acordo com a organização do evento, a dançarina preparou uma série de peças exclusivas para o bazar, que vão desde shorts e blusas, a sapatos e outros acessórios. Os itens foram selecionados criteriosamente e estarão disponíveis para venda com preços que vão de R$ 10 a R$ 150. A participação no Bazar é mediante a doação de 1kg de alimento não perecível, que serão doados para Organizações Não Governamentais (ONGS). Além dos alimentos, metade do valor arrecadado no bazar será destinado e entregue pela própria Dani a instituições de caridade. 

A pernambucana Danielle Karla da Costa, 22 anos, conhecida como Dani Costa, é um dos nomes da nova geração de bailarinas que têm destacado no cenário. Dani começou a dançar brega aos 16 anos, conquistou visibilidade, ganhou popularidade nas redes sociais e admiração entre artistas, produtores e fãs. Ela acumula mais de 700 mil seguidores no Instagram e 56 mil no Facebook. "É o que eu gosto de fazer e quero levar a dança para o resto da minha vida. Acho que posso chegar ainda mais longe", acredita a dançarina que integra o corpo de balé do MC Troinha, ao lado de Vitória Kelly, a Japa (597 mil). "Quando entrei no mundo do brega me destaquei por ter o gingado da suingueira. Foi virando epidemia e todo querendo fazer igual", conta.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.