Cultura Pernambuco ganha seis novos Patrimônios Vivos Com os novos eleitos, o estado totaliza 57 grupos e mestres reconhecidos

Por: Mabson Rodrigues - Diario de Pernambuco

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 18/07/2018 17:50 Atualizado em: 18/07/2018 19:07

A titulação será entregue no próximo dia 17 de agosto, Dia Nacional do Patrimônio Histórico. Foto: Divulgação
A titulação será entregue no próximo dia 17 de agosto, Dia Nacional do Patrimônio Histórico. Foto: Divulgação

A partir de agora Pernambuco passa a contar com seis novos Patrimônios Vivos. Os mestres, Gonzaga de Garanhuns (reisado), Zé de Bibi (cavalo marinho), os grupos Cavalo Marinho Estrela de Ouro (cavalo marinho), Cristina Andrade (ciranda, pastoril, urso), Banda Musical Saboeira (banda filarmônica), e a Casa de Xambá (organização religiosa), foram anunciados, na manhã desta quarta-feira (18), na sede do Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural (CEPPC). Com os novos eleitos, o Estado passa a totalizar 57 titulados. 

De acordo com a presidente do CEPPC, Márcia Souto, a escolha dos novos patrimônios foi uma decisão árdua, devido à ampla qualificação dos inscritos. "Foi uma escolha muito difícil, uma vez que todos os 59 candidatos inscritos tinham condições e merecem o reconhecimento de Patrimônio Vivo do Estado, mas precisávamos, enquanto membros do CEPPC, preservar algumas tradições que ainda não haviam sido reconhecidas. Então, o fato de termos escolhido um cavalo marinho, um mestre de reisado, uma banda filarmônica como a Saboeira, que é uma das mais antigas em atuação do Estado, e um terreiro tão expressivo como o Xambá, mostra nossa intenção em salvaguardar e transmitir os saberes e expressões da cultura de nosso Estado, que é tão rico culturalmente", afirmou. 

Por outro lado, o vice-presidente do CEPPC, Aramis Macêdo, destacou que a decisão dos conselheiros priorizou a diversidade cultural, que é uma das marcas da qual Pernambuco mais se orgulha, entendendo que ela deve ser fomentada como um importante vetor para a construção de uma política cultural verdadeiramente comprometida com a nossa pluralidade.

A eleição dos Patrimônios Vivos é composta por várias etapas. Segundo o conselho, após o período de inscrição, os candidatos passam pela fase de análise documental, gerida pela Unidade de Patrimônio Imaterial da Fundarpe. Uma vez habilitados, os nome dos inscritos seguem para a Comissão de Análise, que analisa se as candidaturas cumprem os critérios estabelecidos na Lei 12.196/2002 (Registro do Patrimônio Vivo do Estado de Pernambuco), como relevância cultural e transmissão de saberes. 

Nessa edição, 59 mestres e mestras da cultura pernambucana defenderam suas candidaturas em uma série de audiências públicas promovidas pelo órgão responsável pela outorga do título, no antigo Plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco. A titulação será entregue no próximo dia 17 de agosto (Dia Nacional do Patrimônio Histórico), durante a 11ª Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco. 

Conheça os eleitos:  

Gonzaga de Garanhuns
Seu Gonzaga também é autor e referência de obras sobre a cultura da cidade de Garanhuns. Foto: Divulgação
Seu Gonzaga também é autor e referência de obras sobre a cultura da cidade de Garanhuns. Foto: Divulgação


Prestes há completar 75 anos, Seu Gonzaga de Garanhuns torna-se  Patrimônio Vivo de Pernambuco, como um dos ícones do Reisado e da literatura de cordel. Na primeira expressão, que atua desde sua infância, vem ativamente participando do processo de apropriação, difusão e transmissão de saberes, por ininterruptos 63 anos de atividades. Na produção literária atua desde a década de 1970, quando lançou seu primeiro cordel, intitulado “Lampião em Serrinha” (1973). Seu Gonzaga também é autor e referência de obras sobre a cultura da cidade de Garanhuns. É membro da Academia de Letras do município e reconhecido e premiado mestre do Reisado pernambucano.

Cavalo-Marinho Estrela de Ouro de Condado
O grupo possui sede própria e utiliza o espaço como escola de tradição popular. Foto: Divulgação
O grupo possui sede própria e utiliza o espaço como escola de tradição popular. Foto: Divulgação


O Cavalo-Marinho Estrela de Ouro de Condado tem uma história que se confunde com a história de vida da família do mestre Biu Alexandre. O Mestre atua desde os 12 anos de idade na brincadeira que herdou de seu pai, o também mestre Pedro de Quina. O grupo Estrela de Ouro foi fundado em julho de 1979. Toda a família vem mantendo a brincadeira há quatro gerações. Nesse sentido, existe como elementos básicos para transmissão de saberes e fazeres a observação, a participação e reprodução das falas, cantigas e encenações das figuras vivenciadas ativamente pelos integrantes. O grupo possui sede própria e utiliza o espaço como escola de tradição popular, intutulado: Centro Àgora de tradição e criação, além de forte atuação em diferentes projetos artísticos que também ajudam na preservação e difusão da expressão cultural. 

Maria Cristina de Andrade 
Aos 71 anos de idade, a mestra cirandeira e carnavalesca é reconhecida como uma grande liderança dos folguedos. Foto: Divulgação
Aos 71 anos de idade, a mestra cirandeira e carnavalesca é reconhecida como uma grande liderança dos folguedos. Foto: Divulgação


Representante das manifestações da cultura popular como a ciranda,  o pastoril, o urso de Carnaval, a Bandeira de São João, a Lapinha, dentre outras,  Cristina Andrade desde criança está ligada à cultura pernambucana. Aos seis anos de idade, começou a dançar pastoril, no bairro do Alto do Pascoal, no Recife. Sua mãe teve forte influência para sua interação na cultura popular. Conhecida como Dona Dengosa, a mãe da candidata criou, em 1958, o Pastoril Estrela Brilhante e, dez anos mais tarde, a Ciranda Dengosa, da qual Cristina posteriormente se tornou mestra cirandeira. Cristina também se tornou cantora e organizadora dos corais dos blocos: Após Fun, Bloco do Amor, Diversional da Torre e Urso Cangaçá, colecionando diversos títulos em todos os folguedos que participa. Do mesmo modo, também tem preservado e transmitido seus valores para filhos, netos e bisnetos. Aos 71 anos de idade, a mestra cirandeira e carnavalesca é reconhecida como uma grande liderança dos folguedos.

Sociedade 12 de Outubro (Banda Saboeira)
A banda é a segunda mais antiga do Brasil em atividades, com 169 anos ininterruptos de história. Foto: Divulgação
A banda é a segunda mais antiga do Brasil em atividades, com 169 anos ininterruptos de história. Foto: Divulgação


Banda Saboeira, de Goiana, é a segunda mais antiga do Brasil em atividades, com 169 anos ininterruptos de história. É uma entidade reconhecida no Estado, uma referência para a cultura musical de bandas da Zona da Mata Norte. Tem vasta experiência de atuação com a comunidade, formando jovens, transformando-os em músicos profissionais dos mais diversos instrumentos musicais, projetando talentos da música para todo o Estado. Sua atuação contribui diretamente para a preservação das expressões artístico-culturais do universo da música.

Mestre Zé de Bibi
Zé de Bibi foi vencedor do prêmio Culturas populares, do MINC, em 2007. Foto: Divulgação
Zé de Bibi foi vencedor do prêmio Culturas populares, do MINC, em 2007. Foto: Divulgação


Representante da cultural do Cavalo-Marinho e do Mamulengo, Mestre Zé de Bibi celebra sua arte há mais de 50 anos. Segundo carta de recomendação do IPHAN, o mestre destaca-se por: manter o Sítio Histórico e Museu do Cavalo-Marinho em Glória do Goitá; foi vencedor do prêmio Culturas populares, do MINC, em 2007; detém o título de Construtor da Cultura pelo Conselho de Cultural da Cidade de Recife; conquistou o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade do MINC/IPHAN, no ano de 2009, na categoria salvaguarda de bens de natureza imaterial. A solicitação para sambadas, os convites para participação em eventos em vários municípios, formações, concursos e a manutenção são ações pioneiras de um Museu voltado à difusão do Cavalo-Marinho que estão sob sua responsabilidade.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.