música De volta ao pop, Wanessa Camargo aborda a liberdade sexual feminina em novo clipe. Assista 'Mulher Gato' tem influências latinas e marca a nova fase da cantora longe do 'feminejo'

Por: Caio Ponciano

Publicado em: 27/04/2018 07:22 Atualizado em: 27/04/2018 07:22

Wanessa: 'Fui uma das primeiras artistas brasileiras a levar o reggaeton para as rádios'. Fotos: Hyan Pereira
Wanessa: 'Fui uma das primeiras artistas brasileiras a levar o reggaeton para as rádios'. Fotos: Hyan Pereira


Desde que se lançou como cantora em 2000, Wanessa Camargo procura se reinventar a cada trabalho. A artista de 35 anos já migrou da música romântica para o pop dançante em inglês e, há dois anos, fez uma rápida incursão no universo sertanejo. Após apelo dos fãs, ela volta ao pop - dessa vez em português - com a empoderada e provocante Mulher gato, divulgada nesta sexta-feira (27) nas plataformas digitais.

"É uma música de uma mulher que brinca com suas fantasias, falando sobre o que quer do homem e, até mesmo, objetificando-o. É uma ironia, uma sátira, já que, infelizmente, nós somos objetificadas todos os dias. Eu cansei e quis inverter esse jogo", conta sobre o single, que possui trechos em duplo sentido como: "Não dá pra aguentar, tô pronta pra dar um beijo na sua boca. Me joga pra cima, que eu caio de quatro, sou a sua mulher gato. E faço miau, miau, miau. Leitinho quente quer tomar". 

Devido ao teor mais sexual da nova canção, houve um estranhamento por parte da equipe e de pessoas próximas à cantora. "Eu estava louca com a música, enquanto os meus amigos, que desconfiaram no início, não pararam de 'miar' depois", revela. Segundo Wanessa, o intuito de Mulher gato é ser trabalhada na internet. "Não planejo ir muito para a televisão ou rádio com essa música", diz em entrevista ao Viver.

Lançamento visual
Por acreditar que ao ouvir Mulher gato é possível imaginar cenas de um videoclipe, Wanessa decidiu lançar a música como um produto audiovisual. Dirigido por Os Primos (João Monteiro e Fernando Moraes), responsáveis por clipes de Pabllo Vittar, Preta Gil, Rouge e Laura Pausini, o vídeo tem referências de The way you make me feel, de Michael Jackson, e The edge of glory e Bad romance, de Lady Gaga. 

Os intensos ensaios da coreografia do clipe fizeram com que a cantora fosse hospitalizada 12 horas antes da gravação. Wanessa sofreu uma crise de espasmo muscular, perdendo momentaneamente os movimentos do pescoço. Apesar do incidente, as filmagens ocorreram sem alterações. 

Entrevista Wanessa Camargo // cantora

Em 2009, você tirou o Camargo de sua assinatura artística justificando dialogar melhor com o pop. Com Mulher gato você decidiu manter o sobrenome. Por que?
Naquela época, eu sofria muito preconceito por ser filha de um cantor famoso. Sempre escoram nós mulheres em algum homem, algo que considero muito machista e misógino. As rádios pop não eram como são hoje, elas praticamente não tocavam pop brasileiro, quem dirá a filha de um sertanejo. Eu usei apenas "Wanessa" pois queria fugir daquilo. Mas a gente cresce e para de se importar com o que os outros querem ou precisam que você seja.

Sua nova música tem influências do reggaeton, um ritmo que recentemente caiu no gosto popular do brasileiro, mas que você já havia apostado em 2005, quando lançou Amor, amor. Com essa popularização, você sente que estava a frente do seu tempo?
Não sinto, porque outros artistas do underground brasileiro e do rap já estavam usando esse ritmo, e lá fora também. Tínhamos hits como Gasolina (Daddy Yankee) e La tortura (Shakira). Mas acredito que eu fui uma das primeiras artistas brasileiras populares a levar essa sonoridade para as rádios, que estranharam na época e quase não quiseram tocar. Mas nós conseguimos e felizmente ajudamos de alguma forma a abrir essa porta por aqui.

Alguns artistas declararam que não pretendem mais lançar discos físicos para investir nas plataformas digitais. Você também vai aderir a esse novo modelo?
Eu sou daquelas que acreditam que um álbum é como o livro de um cantor. Considero uma obra. Mas não dá para tapas os olhos e não enxergar que a indústria fonográfica está mudando. Meus lançamentos iniciais serão, sim, de alguns singles, mas ainda estamos decidindo se iremos lançar em CD ou DVD posteriormente. Tenho vários planos para os próximos dois anos, mas vou revelar um passo de cada vez.

Assista ao clipe de Mulher gato:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.