música Pernambucana Joanah Flor grita contra o machismo em clipe dedicado à Marielle Franco Cantora une arte e empoderamento feminino em evento no Tropicasa

Por: Caio Ponciano

Publicado em: 21/04/2018 11:00 Atualizado em: 23/04/2018 12:06

Vídeo tem participações de representantes de movimentos sociais, mulheres de terreiro, vendedoras ambulantes e entregadoras de panfleto. Foto: Suzanny Carvalho/Divulgação
Vídeo tem participações de representantes de movimentos sociais, mulheres de terreiro, vendedoras ambulantes e entregadoras de panfleto. Foto: Suzanny Carvalho/Divulgação


Remís, Mirella, Fernanda, Sibelly, Layne, Marcela, Bárbara Romina. Todas foram vítimas de feminicídio na Região Metropolitana do Recife. Foi a partir dessa realidade que a cantora pernambucana Joanah Flor teve o ímpeto de gritar "deixa ela!" no videoclipe homônimo que será lançado neste sábado (21), às 20h, durante show e debate no Tropicasa Recife (Rua da Glória, 496, Boa Vista), com ingressos a R$ 15.



O evento tem como proposta reforçar a luta contra o machismo, dando continuidade à discussão provocada pelo single Deixa ela. Também se apresentam a poetisa Cida Pedrosa, a cantora Mayra Clara Vitorino, a atriz Hilda Torres e a DJ Bia Preta. Segundo Joanah, a presença das mulheres no clipe ocorreu de forma espontânea. "Quem esteve nas ruas pôde participar e dialogar sobre essa música e a importância que ela vem tendo. Além da minha mãe e da minha filha, o vídeo tem representantes de movimentos sociais, mulheres de terreiro, vendedoras ambulantes, entregadoras de panfleto e outras que conhecemos na hora e aceitaram participar da gravação trazendo seu grito de liberdade e seu pedido de respeito", conta.

Deixa ela
 é dedicada à vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, que foi brutalmente assassinada em 14 de março, mesmo dia da gravação do clipe. "Escolhi o alto de um prédio como cenário para mostrar que temos asas e podemos ser livres e voar. Me emocionei muito e, coincidentemente, à noite, eu soube da morte de Marielle". Ela revela que o processo de composição da faixa, produzida por Bruno Lopes, foi uma mistura de sentimentos diversos que surgiram durante etapas de sua vida. "A música veio como forma de grito diante de tanta desigualdade de gênero e machismo dessa sociedade misógina que nos mata todos os dias. Juntei o meu grito de libertação com o da minha mãe que veio grávida do Maranhão e construiu tudo sozinha, e com o grito da minha melhor amiga que foi vítima de feminicídio quando eu tinha 20 anos", diz.

Sobre o estilo de música que canta, Joanah prefere não se rotular. "Bebo de muitas fontes. Meu som tem influências do pop, do rock, do mangue, da música afro... Eu brinco que faço 'MPU', sigla para música popular universal", esclarece. Com o nome de Flor do mangue, o show que ela apresenta no Tropicasa une empoderamento feminino a células da cultura regional. "As canções autorais são inspiradas em minhas vivências como educadora e comunicadora popular, em minha ancestralidade e minha trajetória. Faço releituras de grandes nomes que me inspiram e me representam, como Chico Science, Moacir Santos e Dominguinhos", adianta.

SERVIÇO
Joanah Flor e convidadas: Show de lançamento do clipe Deixa ela
Quando: Sábado, 21 de abril, às 20h
Onde: Tropicasa Recife (Rua da Glória, 496, Boa Vista)
Quanto: R$ 15


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.