• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Folia Carnaval fez a política ferver em Pernambuco e no Brasil Política, preconceito e desigualdade social estiveram no centro das manifestações

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 14/02/2018 11:05 Atualizado em: 14/02/2018 11:22

O presidente Michel Temer foi retratado como "vampiro neo-liberalista' pela Paraíso do Tuiuti. Foto: Mauro Pimentel/AFP
O presidente Michel Temer foi retratado como "vampiro neo-liberalista' pela Paraíso do Tuiuti. Foto: Mauro Pimentel/AFP

Em meio à efervescência política vivida pelo Brasil ao longo do ano passado, o carnaval de 2018 foi marcado por protestos direcionados tanto ao poder público quanto à sociedade em si. Preconceito, desigualdade, corrupção e abusos de poder estiveram no centro das manifestações, que ganharam contornos coloridos e cômicos, em alguns dos casos, durante os dias de folia. Além de ganhar as ruas, no formato de fantasias, as manifestações também tiveram espaço na TV e nos palcos. 

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

Em Pernambuco, os protestos tomaram os principais centros de folia, como o Galo da Madrugada, as ladeiras de Olinda e o Recife Antigo. No Marco Zero, na madrugada da segunda (12) para a terça-feira (13), o vocalista da banda Natiruts, Alexandre Carlo, criticou o presidente Temer. "A todos vocês do Marco Zero, eu pediria as mãos de vocês elevando energia total. a gente sabe que muitas mãos nesse carnaval foram erguidas para dizer 'fora Temer'. As nossas também estão erguidas por esse motivo", disse. 

Em Olinda, a frase "Fora, Temer!" foi a mais constante entre os foliões. Além de tematizar blocos, como o Eu Acho É Pouco, o grito também foi usado durante transmissões ao vivo na TV. No Galo da Madrugada, fantasias de urnas eleitorais, ironizando tanto Dilma Roussef e Lula quanto Temer e até críticas ao ministro Gilmar Mendes foram vistas. 

Nos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro, a Paraíso do Tuiuti levou à Marquês de Sapucaí o debate sobre o fim da escravidão, corrupção e manipulação de massa. A comissão de frente questionava as implicações do trabalho escravo nos dias atuais e outra criticava o trabalho informal enquanto a ala dos "manifestantes fantoches" ironizava os que pediram o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Uma das alegorias que mais chamou a atenção foi o "vampiro neo-liberalista", interpretado pelo professor Leo Morais, crítica ao presidente Michel Temer. 

A Mangueira foi direta ao criticar o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), chamando-o de Judas em uma alegoria. "Prefeito, não é pecado brincar carnaval", dizia uma placa endereçada ao governante. A escola de samba desfilou com o tema "Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco", em referência ao corte de verbas às agremiações proposto por ele. Em São Paulo, a X-9 levou o carro Casa da Mãe Joana, com políticos portando dinheiro nas cuecas. 

Coisa semelhante fez a Beija Flor, do Rio, que transformou o prédio da Petrobrás em uma "favela" guiada por um rato gigante, ilustrando a realização de negócios ilegais no local. A escola também protestou contra o preconceito com uma ala inteira dedicada à intolerância de gênero e outra à luta contra o racismo. Pabllo Vittar liderou a alegoria dedicada à diversidade sexual, enquanto Jojo Toddynho comandou o outro carro. 

Acompanhe o Viver no Facebook: 




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.