• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Artes cênicas Atores e produtores culturais se acorrentam ao Teatro do Parque para pedir conclusão da reforma do local Equipamento cultural está sem funcionar desde dezembro de 2010; licitação para concluir a requalificação do teatro foi suspensa

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 25/01/2018 16:54 Atualizado em:

Artistas chegaram ao Teatro do Parque por volta do meio-dia e querem o espaço de volta para a cidade. Crédito: Isabelle Barros/DP
Artistas chegaram ao Teatro do Parque por volta do meio-dia e querem o espaço de volta para a cidade. Crédito: Isabelle Barros/DP

Com a intenção de atrair os olhares da sociedade civil e de serem ouvidos, artistas cênicos, músicos e apreciadores de arte e cultura se acorrentaram em frente ao portão do Teatro do Parque, no início da tarde desta quinta-feira (25). Eles pretendem ficar lá até que o prefeito do Recife Geraldo Júlio (PSB) assine o convênio que garante o aporte do recurso financeiro para o restauro do prédio. Os artistas alegam falta de interesse da atual gestão em reabrir o equipamento cultural.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

O protesto foi organizado pelo movimento Virada Cultural Teatro do Parque e ganhou o nome de Acorrentados ao Teatro do Parque. "Junte-se a nós nesse ato radical a favor da cultura da nossa cidade. Acorrente-se conosco no Teatro do Parque! O teatro é nosso! Queremos ele de volta!", diz trecho do texto de apresentação do ato no Facebook.

O ator Paulo de Pontes, um dos organizadores do movimento, resume o sentimento da classe artística a respeito da interrupção das atividades do espaço, fechado desde dezembro de 2010. "Todo mundo abraça a causa porque mexe em uma ferida nacional, não só local. Depois da Virada Cultural, em agosto, se levantou uma certa esperança para a classe, mas isso se paralisou de novo. Parece que a gente tem sempre que cobrar as promessas feitas pela Prefeitura, porque elas não são cumpridas. O Teatro do Parque é não apenas bonito arquitetonicamente, mas popular, central, muito frequentado e acessível às pessoas. O que mais espanta é a falta de comunicação do Executivo Municipal sobre as obras. Não importa qual gestão fechou o teatro, ele precisa ser reaberto".

A atriz, produtora e gestora cultural Simone Figueiredo também está na coordenação do protesto e detalha o acompanhamento dos artistas à questão. "O Teatro do Parque é símbolo da falta de política cultural da Prefeitura do Recife. Uma comissão foi designada para fiscalizar o andamento da reforma e ela não está tendo atenção. Queremos transparência no processo licitatório, já que a licitação foi suspensa e a assinatura do convênio de requalificação do equipamento foi cancelada, mas já soubemos que eles vão reabrir a licitação".  

ENTENDA O CASO

O Teatro do Parque, inaugurado em 24 de agosto de 1915, foi fechado para reforma em dezembro de 2010, ainda na gestão do prefeito João da Costa (PT). Desde 2013, grupos da sociedade civil têm se mobilizado para pressionar a Prefeitura do Recife a reabrir o local. O início da reforma do equipamento cultural, um dos mais importantes da cidade, foi finalmente anunciado em 2014.

As obras começaram em janeiro de 2015, mas foram interrompidas em julho do mesmo ano, após a conclusão da primeira fase da reaqualificação do espaço cultural. No mesmo ano, o local completou cem anos de portas fechadas, o que motivou mais protestos da classe artística da cidade.

Em 2017, houve uma nova promessa da prefeitura de fazer a reforma andar. Em agosto, o Executivo Municipal anunciou uma nova fase da obra, que duraria um ano e meio a partir de seu início. Em outubro, o Ministério da Cultura anunciou o repasse de mais R$ 3 milhões, mas a licitação que concluiria a obra foi paralisada e os documentos referentes a ela foram encaminhados à Caixa Econômica Federal.

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.